Escola de Redes

 

Obtenha fácil acesso a suas ferramentas favoritas e aplicações com o nosso lindo visual.

Você pode esconder e revelá-lo, adicionar e remover aplicações e controlar as janelas abertas.

 

 

Com nova interface gráfica, o Natty Narwall se aproxima da mobilidade para diminuir as fronteiras com os usuários de Windows.

Sempre que uma nova versão de um sistema operacional é lançada, é comum uma onda de reviews surgirem quase que instantaneamente, avaliando como o software se sai comparado a sua versão antiga, e balanceando prós e contras.

Esse certamente foi o caso do Ubuntu 11.04 da Canonical (também chamado de Natty Narwhal), que foi lançado oficialmente na semana passada. Dessa vez, no entanto, parece certo dizer que a pressão em cima da distribuição foi mais intensa do que o normal.

Para aqueles que não acompanharam o caso de perto, o Natty Narwhal é a primeira versão do Linux para desktop que usa a interface gráfica Unity como padrão – uma enorme ruptura com o tradicional uso do GNOME. A discussão também abrange outras decisões significativas a respeito do sistema operacional open-source e gratuito, como a adoção do gerenciador de janelas Compiz.

O resultado não é nada menos do que uma nova direção para o Ubuntu, conforme explicou Mark Shuttleworth, fundador da Canonical. Não é de se admirar, então, que as críticas tenham sido tão numerosas e tão pesadas.

Pegando emprestado da mobilidade


O Unity foi apresentado pela primeira vez na edição de netbook do Ubuntu 10.10, com uma interface que se baseia em muitos elementos dos sistemas operacionais de hoje. Com um design limpo e organizado, ele permite aos usuários organizarem seus PCs com aplicativos, próximo da maneira que estão acostumados a fazer com seus smartphones e tablets.

Claro que o Unity pode ser desabilitado e substituído pela interface GNOME. Ainda assim, é significante que a Canonical o tenha escolhido como a direção que quer seguir como padrão e para o futuro.

"Para o usuário do dia a dia”


“Com esse lançamento, o Ubuntu irá recrutar uma onda totalmente nova de usuários para o software livre” afirmou Jane Silber, CEO da Canonical, em um anúncio feito no release a respeito do software . “O Ubuntu 11.04 é uma forte marca a respeito do que foi alcançado a partir das tecnologias open-source para o usuário de computador do dia a dia”.

Uma ponte sobre o abismo

 

Por muito tempo, os fãs de Linux não ficaram particularmente animados como Unity, o que pode ser visto em alguns dos reviews. Em casos mais extremos, há afirmações de que o Ubuntu se perdeu por causa dele. Não estou certo disso: se conquistar uma adoção mais ampla é o objetivo do Linux em geral e do Ubuntu em particular, então isso é exatamente do que eles precisavam: uma distribuição receptiva e fácil para os usuários de Windows se acostumarem.

O Ubuntu pode nunca ter sido difícil de usar, pelo menos recentemente, porém ele sempre foi diferente do Windows, plataforma na qual a esmagadora maioria das pessoas cresceu. Ao tocar nessa nova familiaridade dos usuários com sistemas operacionais móveis, o Ubuntu encontrou uma ponte alternativa para ajudar na hora de cruzar esse abismo.

Usuários mais antigos do Linux podem escolher não ficar com o Unity, entretanto isso pode não significar tanto. Fãs de Linux, ao final, podem facilmente substituir o Unity, caso queiram; há também uma enorme variedade de distribuições. O que o Ubuntu — e provavelmente também o Linux – precisava, na verdade, era uma alternativa convincente para os usuários de WIndows, e penso que isso é exatamente o que o Natty Narwhal oferece.

 

O sistema pode ser baixado gratuitamente (são cerca de 700 MB) a partir do site oficial, em http://www.ubuntu.com/download . O arquivo ISO deve ser gravado em um CD ou pendrive seguindo as instruções do site. O mesmo CD (ou pendrive) pode ser usado para experimentar o sistema antes de instalá-lo, sem a necessidade de modificar nenhum arquivo no computador.

 

 

A acessibilidade é fundamental para a filosofia Ubuntu. A computação é para todos, independentemente da nacionalidade, sexo, raça ou deficiência. Totalmente traduzido para 25 idiomas, o Ubuntu inclui também essencial tecnologias assistivas, que são, naturalmente, completamente livre. 

 

Fonte:- UBUNTU

http://www.ubuntu.com/download

Exibições: 691

© 2021   Criado por Augusto de Franco.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço