Escola de Redes

ATENÇÃO: NÃO É PARA DISCUTIR E SIM PARA TRADUZIR. MENCIONE O PEDAÇO (OU OS PEDAÇOS) QUE VOCÊ TRADUZIU E PUBLIQUE A TRADUÇÃO NO CAMPO DE COMENTÁRIOS.

Pedaço 1
FC — What I am trying to do is to present a unified scientific view of life; that is, a view
integrating life's biological, cognitive, and social dimensions. I have had many discussions with social scientists, cognitive scientists, physicists and biologist who question that task, who said that this would not be possible. They ask, why do I believe that I can do that? My belief is based largely on our knowledge of evolution. When you study evolution, you see that there was, first of all, evolution before the appearance of life, there was a molecular type of evolution where structures of greater and greater complexity evolved out of simple molecules. Biochemist who study that have made tremendous progress in understanding that process of molecular evolution. Then we had the appearance of the first cell which was a bacterium. Bacteria evolved for about 2 billion years and in doing so invented, if you want to use the term, or created most of the life processes that we know today. Biochemical processes like fermentation, oxygen breathing, photosynthesis, also rapid motion, were developed by bacteria in evolution. And what happened then was that bacteria combined with one another to produce larger cells the so-called eukaryotic cells, which have a nucleus, chromosomes, organelles, and so on. This symbiosis that led to new forms is called symbiogenesis.

Pedaço 2
Symbiogenesis continued throughout the evolution of life, so that today we can see even in the largest organisms, like ourselves, that many of our structures actually come from bacteria. So, not only do we have bacteria living inside us, as all larger organisms do, but we also have incorporated part of the mechanisms of bacteria and part of their DNA into our own DNA. This was confirmed dramatically by the Human Genome Project. They discovered a lot of bacterial DNA in the human DNA. So, when you study evolution from this point of view, you see that nature did not create large structures from nothing, but used the same patterns over and over again, the same processes in different combinations. This is now well accepted. Steven Jay Gould has written voluminously about it. So, in my view, there is a unifying set of patterns of organization that goes through all life, at all levels and in all its manifestations.

Now, this is not something that I can prove, but this is my credo and my starting point. And it comes from what I learned from evolutionary theories. I think what most people have a problem with is that they believe erroneously that I am proposing a certain theory, or the outlines of a certain theory, and that I believe, once this theory has been completed, you can then apply it to all kinds of phenomena. To put it in an exaggerated way, you would have a master equation and you could feed the US economy into this equation and get some answers; and you'd put in cancer and get some answers, social justice, and so on. All these manifestations of living systems would be governed by the same master equation.

Pedaço 3
There is a fundamental error in this view. Even though there is a unified basic pattern of life, and we can be more precise and say that this pattern is a network pattern, these networks are not structures – at least most of them – they are functional networks. There are web-like relationships between certain life processes. And the pattern of these relationships, the actual configuration of these relationships — patterns like the network, feedback loops, or the process of emergence — can be observed throughout life. But the processes that are interconnected by these patterns are different at different levels and in different domains. So, for example, when I study a cell, I can say "a cell is a molecular network," it's called the metabolic network. The genetic network is part of that. The processes that are interconnected in the network are biochemical processes. If I don't know my biochemistry, I won't be able to explain anything that happens within a cell. Although I can observe a network pattern, I cannot really understand if I don't know what an enzyme is, and how it interconnects various processes as a catalyst. Similarly, in a human community the network pattern is a pattern of communications. It interconnects individual processes of communication that create ideas, information and meaning. So, we need to address the question of meaning in terms of social science, political science, anthropology, philosophy, history and so on. The social sciences and the humanities have to be drawn in to deal with the level of meaning. Only then will we really understand what's going on in a community. We can draw diagrams, and people do that. They say, person A has 4 connections in a company and person B has 6 connections; they draw little stick figures and show how they are connected to other stick figures. But to me, it does not mean much because they don't deal with the dimensions of meaning, of culture, of consciousness. So, to come back to the original issue, a unified theory is unified only through the patterns of organization, but it's not a complete theory. I don't even call it a theory, I call it a unified view of life, mind and society. And it's the pattern of organization, the formal aspect, that interconnects the different domains, but the content and the nature of the processes are different in each domain.

Exibições: 131

Respostas a este tópico

Uma teoria unificada da vida?

Pedaço 1:

FC — O que eu estou tentando fazer é apresentar uma visão científica unificada da vida; isto é, uma visão integrando as dimensões biológica, cognitiva e social da vida. Tive muitas discussões com cientistas sociais, cientistas cognitivos, físicos e biólogos que questionaram essa tarefa, que disseram que ela não seria possível. Eles questionam: por que eu acredito que posso fazer isso? Minha crença é baseada em grande parte em nosso conhecimento sobre evolução. Quando você estuda evolução, você vê que havia, antes de tudo, evolução antes do aparecimento da vida. Havia um tipo de evolução molecular onde estruturas de complexidade cada vez maior desenvolviam-se de moléculas simples. Os bioquímicos que estudam isso têm feito tremendo progresso no entendimento desse processo de evolução molecular. Então tivemos o surgimento da primeira célula, que era uma bactéria. As bactérias desenvolveram-se por aproximadamente 2 bilhões de anos e assim inventaram – por assim dizer – ou criaram a maioria dos processos da vida que hoje conhecemos. Processos bioquímicos como fermentação, respiração do oxigênio, fotossíntese, além do movimento rápido, foram desenvolvidos pelas bactérias em evolução. E o que aconteceu então foi que as bactérias combinaram-se para produzir células maiores, as células chamadas de eucarióticas - que têm um núcleo, cromossomos, organelas, e assim por diante. Esta simbiose que levou às novas formas é chamada de simbiogênese.
Pedaço 2:

A simbiogênese continuou por toda a evolução da vida, de modo que hoje possamos ver mesmo nos organismos maiores, como nós, que muitas de nossas estruturas vieram efetivamente das bactérias. Então, não só temos bactérias vivendo dentro de nós, assim como em todos os organismos maiores, mas nós também incorporamos parte dos mecanismos das bactérias e parte de seus DNA nos nossos próprios DNA. Isto foi dramaticamente confirmado pelo Projeto do Genoma Humano. Foi descoberto muito DNA bacteriano no DNA humano. Então, quando você estuda evolução deste ponto de vista, você vê que a natureza não criou grandes estruturas do nada, mas usou os mesmos padrões inúmeras vezes, os mesmos processos em diferentes combinações. Isto é agora bem aceito. Steven Jay Gould escreveu muito sobre isso. Então, em minha opinião, existe um conjunto unificado de padrões de organização que perpassa toda a vida, em todos os seus níveis e em todas suas manifestações.

Agora, isto não é algo que eu possa provar, mas é meu credo e meu ponto de partida. E isto vem do que eu aprendi a partir das teorias evolutivas. Penso que a maioria das pessoas questiona por acreditar, erroneamente, que eu estou propondo uma determinada teoria, ou as linhas gerais de uma determinada teoria. Que eu acredito ainda, uma vez que tal teoria tenha sido concluída, que você poderia então aplicá-la a todos os tipos de fenômenos. Colocando de forma exagerada, você teria uma equação magistral onde você colocaria a economia dos EUA e receberia algumas respostas; colocaria o câncer e receberia algumas respostas, justiça social e assim por diante. Todas estas manifestações dos sistemas vivos seriam regidas pela mesma equação magistral.
Pedaço 3:

Existe um erro fundamental nessa visão. Apesar de existir um padrão básico unificado de vida, e nós podemos ser mais precisos e dizer que este padrão é um padrão de rede, estas redes não são estruturas - pelo menos a maioria delas - elas são redes funcionais. São como uma teia de relações entre certos processos vitais. E o padrão dessas relações, a verdadeira configuração destes relacionamentos – como as redes, ciclos de realimentação ou os processos de emergência - pode ser observado por toda a vida. Mas os processos que estão interligados por estes padrões são diferentes em diferentes níveis e em diferentes domínios. Assim, por exemplo, quando eu estudo uma célula, eu posso dizer "uma célula é uma rede molecular", que é chamada de rede metabólica. A rede genética é uma parte dessa rede. Os processos que estão interconectados nessa rede são os processos bioquímicos. Se eu não conheço bioquímica, eu não vou ser capaz de explicar tudo o que acontece dentro de uma célula. Embora eu possa observar um padrão de rede, não consigo realmente entender se eu não sei o que é uma enzima e como estão interconectados os diversos processos, como um catalisador. Do mesmo modo, em uma comunidade humana o padrão de rede é um padrão de comunicações. Ela interliga processos pessoais de comunicação que criam idéias, informações e significado. Então, temos de abordar a questão do significado em termos de ciências sociais, ciências políticas, antropologia, filosofia, história e assim por diante. As ciências sociais e as humanidades têm de ser levadas a lidar com o nível de significado. Só então é que realmente entenderemos o que está acontecendo em uma comunidade. Podemos desenhar diagramas, e há pessoas que o fazem. Elas dizem que a pessoa A tem 4 conexões em uma empresa e pessoa B tem 6 ligações; elas desenham uma pequena silhueta e mostraram de que modo está conectada a outras silhuetas. Mas, para mim, isto não significa muito, porque elas não lidam com as dimensões de significado, da cultura, da consciência. Então, voltando à questão inicial, uma teoria unificada é unificada só através dos padrões de organização, mas não é uma teoria completa. Eu nem sequer a chamo de uma teoria, eu a chamo de uma visão unificada da vida, do pensamento e da sociedade. E é o padrão de organização, o aspecto formal, que interconecta os diferentes domínios, mas o conteúdo e a natureza dos processos são diferentes em cada domínio.

RSS

© 2021   Criado por Augusto de Franco.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço