Escola de Redes

ATENÇÃO: NÃO É PARA DISCUTIR E SIM PARA TRADUZIR. MENCIONE O PEDAÇO (OU OS PEDAÇOS) QUE VOCÊ TRADUZIU E PUBLIQUE A TRADUÇÃO NO CAMPO DE COMENTÁRIOS.

Pedaço 1
FP — I quote from your book: "The design principles of our future social institutions must be consistent with the principles of organization that nature has evolved to sustain the web of life." Why should it be so?

FC — I think that what is new in our era, in the 21st century, is that in everything we do we need to take the natural environment into account. We depend on it and we influence it; we have a very strong impact on it. That was not so important in previous centuries where the world population was small and natural resources were abundant. Although you could say it was not morally defensible, people could wreck the environment in one place and just move on to another place to find a pristine environment again. They would find clean air, clean water and natural resources. With our world population today that's no longer possible. Everything now is interconnected, both socially and ecologically.

So we always need to take the natural environment into account, and this is one of the big problems with the social sciences. They are traditionally interested only in social phenomena. They tend to treat social phenomena as if they happened in a vacuum, and do not see how we are embedded in ecosystems. I feel very strongly from my background in the natural sciences that the principles of ecology must be seen as laws of sustainability that are as stringent as any other natural laws. If we continue to use fossil fuels, that will be to our detriment and eventual disappearance from the Earth. That is as stringent as to say, when you stand on a cliff, you cannot walkout into thin air because there is something
called the law of gravity, and it will pull you down. We know that one does not walk into thin air off a cliff.

Pedaço 2
Similarly, we have to recognize that we cannot have processes of industrial production where we take natural resources, manufacture goods, create a lot of waste in the process, and then throw away the goods themselves. This is not how nature works. The understanding of ecology tells you that species who act like this do not survive. Species who disregard the basic principles of ecology will not survive in this interconnected world.

This is why we need to live sustainably. Living sustainably means taking these laws and principles into account and reflecting them not only in the design of our material goods but also in the design of our social institutions.

FP — You are stating the principles of life. How does that impact politics and social sciences: anthropology, sociology etc.? And how does the network metaphor or paradigm apply to the social sciences?

FC — The first part of your question seems to imply that I use the social sciences to make a political argument. I don't see that as a political argument. It's an argument of common sense. If we recognize certain laws of nature and recognize that disregarding these laws we will harm ourselves, then we had better take it into account. That's not political, that’s just common sense.

FP — Common sense may be a political argument, as we know too well.

FC — Sure. Maybe what you want to get at is, that I use an understanding of the natural world to construct a normative framework. To say "this is what we should do."

FP — Exactly.

FC — Yes, That is true.

Pedaço 3
FP — Let's go back to the other part of my previous question: how do you see the impact of the network metaphor on the social sciences? It's not a normative issue. It's a matter of understanding and of knowledge. What can it bring to the social sciences?

FC — The two parts here are related. The first part says that nobody today can disregard the natural environment without causing harm to humanity. We can apply this to the social sciences. Social scientists cannot put themselves and their discipline above nature or separate it from nature, from the material world. They need to get interested in the material world, try to understand the material world, because it is a context of all our actions that needs to be taken into account.

To be interested in the material world does not mean that social scientists need to become biochemists or physicists. That's not necessary. But they need to understand the laws of sustainability, which are the basic principles of ecology. They need to understand the basics of how ecosystems work. That does not require technical knowledge. It can be understood in very general ways.

I can tell you that it is very interesting to look at an ecosystem and ask, "how does it organize itself for long term survival?" Its patterns of organization were developed in evolution through trial and error and through natural selection. There is no design in an ecosystem. So, how do ecosystems organize themselves to maximize their sustainability? You can identify certain principles. One key principle is the network as the fundamental organizing principle of ecology. When you look into this in greater depth, you find that the network is not only an organizing principle of ecosystems, but of living systems in general. In the 1920s, when ecologists began to speak about food webs, other scientists used this network concept and transferred it to biology, looking at an organism as a network of cells, and at a cell as a network of molecules and so on. They discovered that the network is the basic pattern of organization of all life.

Exibições: 64

Respostas a este tópico

PARTE 12 | AS CIÊNCIAS AMBIENTAIS E SOCIAIS

Pedaço 1

FP - Citando seu livro: "Os princípios de concepção de nossas futuras instituições sociais devem ser coerentes com os princípios de organização que a Natureza tem desenvolvido /evoluído para sustentar a teia da vida”. .Por que deve ser assim?

FC - Penso que o que é novo na nossa era, no século 21, é que, em tudo o que fazemos, temos de ter em conta o ambiente natural: nós dependemos dele e temos uma influência e um impacto muito forte sobre ele. Isso não foi tão importante nos séculos anteriores, em que a população mundial era pequena e os recursos naturais eram abundantes. Apesar de não ser ‘moralmente defensável’, as pessoas podiam destruir o ambiente de um lugar e mudar-e para um outro lugar, para encontrar um ambiente prístino novamente: ar puro, água limpa e novos recursos naturais. Com a população mundial de hoje, isso já não é mais possível. Tudo agora é interligado, tanto social como ecologicamente.

Portanto temos sempre que levar em conta o ambiente natural, e este é um dos grandes problemas das Ciências Sociais. Elas estão, tradicionalmente, interessadas apenas em fenômenos sociais. Elas tendem a tratar esses fenômenos como se eles acontecessem em um vácuo, e não vêem como é que os mesmos estão ‘embutidos’ nos ecossistemas. Eu sinto, a partir de minha experiência em ciências naturais, que os princípios da ecologia devem ser visto como ‘leis de sustentabilidade’, que são tão rigorosas como quaisquer outras leis naturais. Se continuarmos a utilizar combustíveis fósseis, isso se dará em nosso detrimento, e eventual desaparecimento da Terra. Isso é tão rigoroso como dizer, quando se está na beira de um precipício, que não posso caminhar no ar - porque há algo chamado lei da gravidade, e ela vai te puxar para baixo. Sabemos que ninguém caminha no ar a partir de um precipício.


Pedaço 2

Do mesmo modo, temos de reconhecer que não podemos ter processos de produção industrial, onde tomamos os recursos naturais, fabricamos mercadorias, criamos um monte de resíduos no processo e, em seguida, deitamos fora os próprios bens. Isto não é como a Natureza funciona. A compreensão da ecologia indica que espécies que atuam dessa forma não sobrevivem. Espécies que ignoram os princípios básicos da ecologia não irão sobreviver neste mundo interconectado.

É por isso que precisamos viver sustentavelmente. Viver sustentavelmente significa tomar essas leis e princípios em conta, refletindo-as não só no desenho dos nossos bens materiais, mas também na concepção das nossas instituições sociais.

FP – Você está colocando aqui os princípios da vida. Como é que isso impacta as ciências sociais e políticas: Antropologia, Sociologia, etc? E como é que a metáfora ou paradigma das redse se aplica às Ciências Sociais?

FC - A primeira parte da sua pergunta parece implicar que eu estou usando as ciências sociais para colocar um argumento político. Eu não vejo isso como um argumento político. É um argumento de senso comum. Se reconhecermos certas leis da natureza e considerarmos que desrespeitar essas leis irá prejudicar a nós mesmos, então temos que tê-las mais em conta. Isso não é política, é apenas senso comum.

FP - O senso comum pode ser um argumento político, como sabemos muito bem.

FC - Claro. Talvez o que você queira dizer com isso é que estou utilizando a compreensão do mundo natural para a construção de um quadro normativo. Para dizer "isto é o que devíamos fazer."

FP - Exatamente.

FC – Sim, isso é verdade.


Pedaço 3


FP - Vamos voltar para a outra parte da minha pergunta anterior: como você vê o impacto da metáfora das redes sobre as Ciências Sociais? essa não é uma questão ‘normativa’, mas de compreensão e de conhecimento: o que as redes podem trazer para essas disciplinas?

FC - As duas partes estão relacionadas. A primeira parte diz que ninguém hoje pode ignorar o ambiente natural, sem causar danos à humanidade. Podemos aplicar isso para as Ciências Sociais. Os cientistas sociais não podem colocar-se, e às suas disciplinas, acima ou separadas da Natureza, do mundo material. Eles precisam de se interessar pelo mundo material, tentar entender o mundo material, porque é o contexto de todas as nossas ações que deve ser levado em conta.

Estar interessado no mundo material não significa que os cientistas sociais devem tornar-se bioquímicos ou físicos. Isso não é necessário. Mas eles precisam entender as leis da sustentabilidade, que são os princípios básicos da ecologia. Eles precisam entender os princípios básicos de como os ecossistemas trabalham. Isso não requer conhecimentos técnicos, e pode ser compreendido de forma muito geral.

Posso dizer que é muito interessante olhar para um ecossistema e perguntar: “como é que ele se auto-organiza para sua sobrevivência a longo prazo?" Seus padrões de organização foram desenvolvidos evolutivamente, através de processos de tentativa-e-erro, e por seleção natural. Não existe um ‘projeto’ em um ecossistema - então, como é que eles se organizam para maximizar a sua sustentabilidade? É possível identificar certos princípios. Um princípio fundamental é a rede - como o princípio organizador fundamental da ecologia. Quando se olha para isso com maior profundidade, se percebe que a rede não é apenas um princípio organizador de ecossistemas, mas também dos sistemas vivos em geral. Na década de 1920, quando os ecologistas começaram a falar sobre teias alimentares, outros cientistas usaram este conceito de rede e o transferiram para Biologia, olhando para um organismo como uma rede de células e, para uma célula como uma rede de moléculas e assim por diante. Eles descobriram que a rede é o padrão básico de organização de toda a vida.

RSS

© 2021   Criado por Augusto de Franco.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço