Escola de Redes

Quem toparia me acompanhar?

Trabalho bastante com wikis, e a cultura wiki é um dos meus focos profissionais atuais.
Tenho me dado conta de várias limitações nas possibilidades de organização e acesso à informação em outras ferramentas, como o Ning, que estamos utilizando. No wiki acabam emergindo modelos de gestão e participação com os quais tenho me divertido muito ao descobrir e inventar. Acho que muitos aqui gostariam de experimentar esse prazer.

Inicialmente eu gostaria de saber se há mais pessoas que gostariam de incubar um experimento com wiki para a própria Escola. Poderá servir para organizar a biblioteca, para organizar projetos etc., e poderá ser um laboratório nosso para pesquisa e uso em outros contextos.

Quem topa?
Se tiver adesão de uma massa crítica de no mínimo 5-6 pessoas, aí valerá a pena criar um grupo específico para isso.

Uma das ferramentas com que trabalho é o Confluence, software proprietário da Atlassian, mas de código aberto. Tem sido muito utilizado na área de TI e desenvolvimento de software. Sua aplicabilidade é muito mais ampla.
Podemos utilizá-lo gratuitamente, pois a Atlassian tem a política de licenças gratuitas para organizações sem fins de lucro.

Quem topar, comente abaixo, ok?

Exibições: 230

Comentar

Você precisa ser um membro de Escola de Redes para adicionar comentários!

Entrar em Escola de Redes

Comentário de Sergio Storch em 24 março 2010 às 13:39
Amigos
Esta conversa durou 6 dias, e apagou-se, já há 6 meses.
Estou retomando o assunto, numa perspectiva mais ampla, no grupo Wiki Way.
Convidarei individualmente todos os que responderam a este post.

Um abraço a todos
Sérgio Storch
Comentário de Pedro Caiado Ferrão em 17 novembro 2009 às 21:12
Na minha opinião a plataforma wiki não impõe necessariamente uma organização 'normativa' de conteúdos como a wikipedia. Se pensarmos, por exemplo, na organização do acervo de documentos aqui da escola poderiam ser oferecidas várias indexações para um único acervo. Em última análise cada participante poderia organizar a sua 'biblioteca' pessoal a partir desse acervo. Pelo contrário, o Augusto foi forçado a organizar uma listagem alfabética - e não é uma indexação assim muito útil, além de ser única - utilizando a funcionalidade de fórum.

Mas, para mim, a diferença mais relevante entre um wiki e as ferramentas de blog e de fórum (disponíveis no Ning) é que estas apresentam as contribuições numa sequência cronológica, o que não é obrigatório, ainda que possível, num wiki. Ora, a partir de um certo volume a informação contida nos diálogos torna-se difícil de explorar sem alguma sistematização. Reconheço a dificuldade de assegurar a interacção entre as narrativas da rede e a sistematização de conhecimento, a qual alguns autores abordaram especificamente, como G. Le Boterf ou E. Wenger.

A propósito aqui fica um exemplo de uma comunidade ning utilizando uma wiki em complemento da 'rede': http://www.km4dev.org/
Comentário de Pietro R. em 27 outubro 2009 às 11:54
De fato, coloquei de forma simplista uma questão complexa. Aqui, aos 17 minutos, ocorre o debate sobre o concepção de universalidade do Lévy e que irá refletir no projeto da meta-linguagem semântica. A discussão específica ocorreu antes, mas não encontro o vídeo. Participaram: Cláudio Prado; Pierre Lévy, Gilberto Gil; Laymert dos Santos; José Murilo e André Lemos e Sérgio Amadeu.
Comentário de Maria Thereza do Amaral em 26 outubro 2009 às 15:50
.
Uma observação (que não sei se é pertinente ao blog, mas me ocorreu lendo os posts daqui):

Estão havendo muitos eventos, bons, onde estão ocorrendo discussões informativas, sobre basicamente midias, digitais e não digitais. E pela própria estrutura dos eventos, as discussões não se aprofundam e ficam entre poucos.

Não vejo problema algum nisso, mas estou sentindo falta de eventos onde a discussão seja mais descentralizada, menos só "informativas" e que entrem de fato no espírito de "redes".

E cada vez mais vejo confusões entre palavras, conceitos e definições, feitas por "autoridades no assunto" não importando qual seja a 'autoridade' e ou o assunto.
As que mais estão me 'pegando' : redes, hiperlinks, programadores.

E (quase) ninguém reclamando a respeito.

Se é que estão percebendo isso...
.
Comentário de Augusto de Franco em 26 outubro 2009 às 15:28
Vamos examinar isso, Pietro. Não conheço em detalhes o trabalho com IEML e a Semantic Networking Language, mas conheço o Lévy há muito e não posso acreditar que ele esteja propondo algo assim. Por outro lado, também não conheço o Sérgio Amadeu (acho que já o vi uma vez, a distância: sei apenas que é um militante do software livre e, ao que parece, do PT) e não atino em que pode ter se baseado a sua objeção.

Vamos acompanhar essa Wikiversidade, quem sabe.
Comentário de Pietro R. em 26 outubro 2009 às 8:04
Concordo que a Wikipedia não é o melhor caminho, afinal, ela deve se basear em fontes, não em pesquisa inédita. Isso inviabilizaria o processo criativo da escola. Por outro lado, a enciclopédia é um dos projetos mantidos pela Wikimedia Foundation, dos quais destaco a Wikiversidade. Este, sim, seria adequado para a criação de um instituto da Escola de Redes e, por conseguinte, das contextopédias. O projeto ainda está em fase inicial e isso significa que há muito espaço para definir o processo de produção e apresentação do conteúdo.
Sobre o Pierre Lévy, ele esteve no cibercultura 10 mais 10, falou sobre uma meta-linguagem para a web semântica e foi "acusado", pelo Sérgio Amadeu, justamente, de propor algo semanticamente igual ao tribunal epistemológico.
Por fim, falo sobre os projetos da Wikimedia por identificar diversos pontos de convergência com os temas debatidos aqui nesta escola-rede.
Comentário de Augusto de Franco em 23 outubro 2009 às 17:08
Eu topo também. Mas minha opinião sobre isso continua basicamente a mesma. Como usaremos uma plataforma wiki? Para organizar o conhecimento? Quem vai organizar? Segundo qual critério?

Já discuti o assunto um pouco aqui com o Pateo e com o Sérgio, se não me engano, pessoalmente também. Tags só funcionam para um modo bottom up de organização do conhecimento se o número de interagentes é muito grande. Quando o número é pequeno, o que ocorre? De duas uma: ou a escolha de cada tag será arbitrária e uma mesma pessoa tagueará a mesma matéria de modo diferente em ocasiões diversas; ou estipulamos uma lista de tags e aí... bom, e aí estamos organizando top down. É claro que a multidão corrige isso, tem a curva de normalização etc e tal. Mas com 1% de pessoas interagindo proativamente (ou seja, 30 pessoas mais ou menos), isso não funciona. Criaremos uma burocracia do sentido.

Wikipedia não é um bom negócio. Congela sentidos. Contextopédias podem ser uma boa iniciativa. Desde que no plural. Tal coisa segundo fulano, a mesma coisa segundo beltrano, a mesmíssima coisa segundo cicrano. Aí sim.

Para ter contextopédias (no plural) a saída - já discutida certa feita aqui com Marcelo Estraviz - seria ter várias wikis, não uma. Na verdade, as páginas pessoais do Ning deveriam ser wikis. E cada vez que alguém publicasse alguma coisa colocaria links para os sentidos que atribuiu às idéias contidas em suas publicações. Não pode ter um sentido único, como se fosse um dicionário. Ou uma enciclopédia. A velha idéia enciclopedista é inadequada para uma sociedade em rede distribuída. Não adianta qualquer pessoa poder atribuir um significado a um termo, como faz a Wikipedia, se, ao final, temos que ficar monitorando para "corrigir" ou "desambiguizar"! O problema não é quem escreve e sim partir do pressuposto de que todos que escrevem chegarão à fórmula do molho de macarrão... Esse molho (único) não existe, nem mesmo para uma comunidade.

Com o tempo iniciativas como essas (Wikipedia e outras wikis usadas como modo de gerenciar o conhecimento) acabam criando tribunais epistemológicos (que são burocracias sacerdotais do sentido).

Espero que Pierre Levy - e ele estará aqui em nossa Conferência Internacional sobre Redes Sociais em março de 2010 e poderá conversar com a gente sobre isso - nos ajude a encontrar formas de busca semântica, de sorte que possamos não apenas dizer, mas operar de acordo com o dito: "Quem organiza o conhecimento é a busca". Pois se não for a busca, será quem?
Comentário de Claudio Estevam Próspero em 23 outubro 2009 às 11:22
Creio que uma ferramenta Wiki seria muito adequada para a criação das CONTEXTOPÉDIAS de Tópicos e Palavras-chave que promoveriam múltiplos caminhos de acesso e múltiplas correlações de informações entre os conteúdos da Escola de Redes.

Estas novas correlações de idéias, em minha opinião, fazem parte do Processo Criativo em Rede. Para quem desejar aprofundar o assunto recomendo o seguintes artigos:

Desvendando o segredo dos grandes inventores

O processo criativo

Ferramentas de criatividade

Criatividade é criar novas conexões <--- *

Mapa mental: organize suas idéias

Como selecionar suas melhores idéias

Como convencer as pessoas e vender suas idéias

10 regras de ouro para realizar uma sessão de criatividade

Como líderes inovadores tratam as idéias criativas


Disponíveis em:
http://criatividadeaplicada.com/2007/02/14/tcnicas-de-criativdade/

Abraços.
Claudio
Comentário de Claudio Estevam Próspero em 23 outubro 2009 às 11:12
Sérgio e demais pares.

Contem comigo também. Estou ansioso por formas de facilitar o acesso às diversas informações existentes nesta rede.

Copio abaixo mensagens que, acredito, estão relacionadas com as intenções desta iniciativa.

NOSSA BIBLIOTECA BILI.E=R Página 2/3
http://escoladeredes.ning.com/profiles/blog/show?id=2384710%3ABlogP...

Comentário de Regina Fazioli em 28 setembro 2009 às 9:30
Caro Augusto,

Fico muito feliz e realizada com esta ação: acesso total aos textos!

Sou ferrenha adepta de open source e como bibliotecária é um sonho que possuo: um dia ver todo o conhecimento do mundo compartilhado para o bem comum e a construção da inteligência coletiva sendo realmente construída coletivamente!

Apenas uma observação: além do título, como recuperar este material? Por enquanto ainda temos condições de recuperar, mas com o crescimento desta biblioteca, como será feita esta recuperação? Vamos pensar nissso?

Parabéns!

Abs,

Regina Fazioli
www.bv.sp.gov.br
http://twitter.com/bvsp
http://twitter.com/refazioli

Comentário de Augusto de Franco em 28 setembro 2009 às 10:20
Não sei responder, Regina. Quem sabe você não faz uma sugestão?

Comentário de Regina Fazioli em 28 setembro 2009 às 10:28
Vou estudar um pouco as ferramentas para ver se tem alguma solução de integração de busca.

Comentário de Claudio Estevam Próspero em 28 setembro 2009 às 17:28
Caros Augusto e Regina.

Segue trecho de comentário que pode contribuir para o desejado: facilitar recuperação de informações na Biblioteca e, talvez, em toda a Escola de Redes.

Comentário de Claudio Estevam Próspero em 12 setembro 2009 às 13:33
Augusto e demais pares envolvidos com este assunto (uma de nossas agendas compartilhadas?).

Estive meditando, no sistema Anhanguera/Bandeirantes, esta manhã, enquanto dirigia no caminho para Ribeirão Prêto [1], sobre o que é ser NETWEAVER.

=====

Acho que ela diz muito sobre o que deve fazer um NETWEAVER: promover atividades interessantes - um belo Jardim - para que os participantes de uma Rede Social - as borboletas, aliás já ouve comentários em post (s) anteriores, creio que quando conversavamos sobre os 1% e os 99%, usando esta "analogia alada" - a frequentem e com ela colaborem.

Estas atividades podem ser:

====

- a estruturação das contribuições efetuadas para facilitar a pesquisa e estudo de participantes que se interessem por um determinado tópico. Um exemplo pode ser a organização em PDF, feita pelo Augusto, de alguns diálogos virtuais ocorridos nesta Escola. Outro a organização da Biblioteca da Escola de Redes, por enquanto por nome de autor - uma idéia para consideração de vocês: e se fizessemos algo similar por palavras-chave, tópicos relevantes, criando hyperlinks para todos os trechos onde estão estas palavras-chave e tópicos relevantes ? (Para quem tem conhecimentos de tecnologia da informações, estariamos criando um protótipo de metadados da Escola de Redes, ou seja, uma taxonomia para as informações aqui disponibilizadas)

Comentário de Augusto de Franco em 28 setembro 2009 às 17:42
Como fazer isso com centenas de textos, caro Cláudio?

Comentário de Claudio Estevam Próspero em 28 setembro 2009 às 18:58
Trabalho colaborativo. Tipo a tradução "à várias cabeças".

Nós temos feito vários "Ver Também", quando citamos, via link, outro ponto onde determinado tópico já foi tratado.

Cada um pode ter sua CONTEXTOPÉDIA de Tópicos e Palavras-chave, em ordem alfabética, como feito para os nomes de autores, por você. Aí vai amarrando hyperlinks para posts, tópicos, grupos onde leu algo referente aos Tópicos e Palavras-chave eleitos pelo leitor / indexador.

Com o tempo teremos um "Indice de Catalogação Sistemática" múltiplo da Escola de Rede, como convém para esta iniciativa que não visa estabelecer padrão único de catalogação.

Acho que a Regina, como bibliotecária, poderia enriquecer esta proposta, ou elaborar outra, mais funcional.

Abraços.
Claudio
Comentário de Sergio Storch em 23 outubro 2009 às 6:45
Caros amigos
Acho que temos sim massa crítica para iniciarmos um grupo adicional, especificamente para organizar a montagem de um wiki.

Abrirei esse grupo na próxima semana, ao ter a nova versão do Confluence, da Atlassian, que permite editar em Word, Excel etc em vez de um editor próprio capenga, superando uma das principais barreiras para o uso de wikis.

Se tivermos não 5%, mas apenas 0,5% pra começar, já está bom demais.

Obrigado a todos

Um abraço
Sérgio

© 2019   Criado por Augusto de Franco.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço