Escola de Redes

Olá Augusto.

Obrigado pela generosidade em compartilhar seus conhecimentos, tempo etc.
Simples e claro seu texto sobre o assunto em epígrafe,
Lendo-o passou pela minha cabeça:
1- -As redes em funcionamento não criam expontâneamente um movimento de sístole e diástole no sentido do seu nível de distribuição?
Quanto a autoridade, as idéias criam um campo gravitacional em torno de sí mesmas e atraem algumas mentes, Durante algum tempo o gerador daquela idéia acaba ganhando uma certa autoridade, até que esta se não estiver em movimento atinja nível maximo de redundância e entra em diástole.

2- A afinidade pressupõe algum tipo de autoridade e consequentemente hierarquia mesmo que por algum tempo. \assim a hierarquia em si não é necessáriamente nociva, desde que mude de centro.

3-- Existe hierarquia/ autoridade de algum tipo na rede mas ela muda de centro permanentemente. Não acha?

Viajei na maionese? Tenho dificuldade para o diálogo por escrito.

Penso enquanto falo/porque desfalo/E refalo.
Por escrito é mais difícil.

Você escreve muito bem.

Um abraço

Exibições: 44

Comentar

Você precisa ser um membro de Escola de Redes para adicionar comentários!

Entrar em Escola de Redes

Comentário de Augusto de Franco em 22 março 2009 às 7:02
Caro Grácio. Obrigado pelo estímulo. Vou tentar falar um pouco do que passou pela minha cabeça sobre o que passou pela sua cabeça lendo o texto Para fazer netweaving.

Talvez a resposta (ou uma parte) às suas perguntas esteja em outro texto: É possível sem um mínimo de hierarquia?

Redes sociais distribuídas e centralizadas são casos limites. As redes sociais que conhecemos têm graus de distribuição (ou de centralização) diferentes, no intervalo entre a máxima centralização (centralizada) e a máxima distribuição (distribuída). Convencionei, cá com meus botões, o seguinte: se o grau de distribuição é maior do que o grau de centralização, então a rede pode ser considerada distribuída. Isso, evidentemente, é uma mera convenção. Para ver o que chamo de grau de distribuíção clique aqui.

Assim, em geral, encontraremos sempre alguns centros, mesmo nas redes consideradas (pelo meu critério) distribuídas. Isso não significa que não existam redes com 100% de distribuição (em grupos pequenos), correspondendo a 100% de conectividade (todos-com-todos). Penso ter mostrado - em outro lugar - as vantagens de considerar a distribuição juntamente com a conectividade.

Todavia, em redes com grande número de nodos é mais difícil encontrar 100% de distribuição-conectividade. Alguns estimam entre 100 e 150 pessoas o tamanho dos grupos em que cada nodo pode ter acesso imediato a qualquer outro (sem grau de separação) e, além disso, que todos possam com-viver com todos (com-viver aqui evocando relações frequentes, reiteradas). Não sei ainda. Mas esse, com certeza, é um motivo pelo qual uma rede distribuída como a nossa Escola-de-Redes só poderá perdurar como tal por meio da clusterização, com o surgimento de múltiplos aglomerados (aqui chamados de Nodos) nos quais se possa realmente ter uma com-vivência que dê origem a comunidades de aprendizagem (de projeto ou de prática). Com 1.350 pessoas não é possível!

Existindo, portanto, centros remanescentes em uma rede distribuída (quer dizer, mais distribuída do que centralizada), parece razoável supor um movimento interno de deslocamento entre tais centros no que diz respeito à capacidade de entroncar fluxos (isso é, aliás, o que chamamos de liderança nas redes distribuídas, sempre uma multiliderança e nunca uma monoliderança). Mas isso não significa necessariamente hierarquia enquanto capacidade de obstruir fluxos e excluir ou separar nodos (ou seja, como "poder vertical"). Autoridade não é necessariamente poder (nesse sentido de poder de obstruir, separar e excluir). Pode-se dizer que a liderança móvel e temporária exerce uma autoridade móvel e temporária. Se esse autoridade é usada para obstruir fluições, filtrá-las ou direcioná-las segundo um padrão recorrente, então a autoridade se constitui como poder (de mandar nos outros) e, aí, configura-se uma estrutura (e uma correspondente dinâmica) hierárquica.

© 2019   Criado por Augusto de Franco.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço