Escola de Redes

Prefeito de Catanduva recebe relatório de atividades da Rede Social

Foi pelas mãos de Vasco Pedro da Gama Filho, presidente da Associação Amigos do Pachá e participante da Rede Social Catanduva, que o prefeito da cidade, Afonso Macchione Neto, recebeu um relatório completo de atividades das comissões que formam a Rede. Estavam presentes ainda: o mediador da Rede Social, Heveraldo Galvão, do Senac São Paulo, e Adriana Bellini Bonjovani, Secretária Municipal de Desenvolvimento, Emprego e Relação do Trabalho, representante da Prefeitura na Rede.

Na ocasião o prefeito pôde ainda conhecer a história da formação da Rede Social Catanduva e, principalmente, entender o processo de Desenvolvimento Local do Bairro do Pachá. "A Rede já realizou uma série de atividades nesse bairro como levantamento de dados sócio-econômicos, realização de projetos ambientais com a ajuda dos alunos do Técnico Ambiental do Senac, concurso para a escolha de um slogan para o bairro, participação da festa folclórica, sensibilização da comunidade, entre outras ações e atividades", explicou o mediador da Rede.

Os representantes da Rede aproveitaram ainda para convidar o prefeito a conferir de perto a "Semana de Mobilização e Ação" que deve acontecer entre os dias 24 e 29 de julho. Durante essa semana acontecem atividades como: palestras de conscientização; um dia dedicado ao combate à Dengue com o apoio do EMCA (Equipe Municipal de Combate ao Aedes); além de uma mobilização de limpeza do bairro onde cada duas ruas ficarão responsáveis pelo recolhimento de algum tipo específico de lixo reaproveitável como vidro, lata, papel etc. "Puxa! Nós vamos ter um bairro modelo em Catanduva", empolga-se o prefeito.

Solicitações do Pachá

No encontro com o prefeito a comissão apresentou algumas solicitações da comunidade do Pachá, a partir do levantamento realizado pela Rede. "Constatamos que a população quer um bairro mais limpo, mais iluminado e mais seguro", explicou Heveraldo Galvão ao prefeito. "Começaremos a trabalhar a questão da limpeza na semana que vem com as ações e atividades de mobilização que já comentamos. Quanto à iluminação, temos diversos pontos do bairro com lâmpadas quebradas e que precisam ser trocadas com urgência", completou Vasco.

Diante dessas colocações, o prefeito se comprometeu a solicitar a troca de lâmpadas e disponibilizar equipamentos de limpeza. "Vamos ajudá-los com a limpeza pesada, mas essa sensibilização que a Rede está fazendo com a comunidade é essencial, caso contrário, a limpeza não será mantida. E essa tarefa, de manter seu bairro limpo, é da comunidade", disse o prefeito. "Esse trabalho é bastante interessante na Rede, onde todas as ações realizadas sempre contam com essa participação da população. A idéia é incentivarmos também a cooperação", explicou Adriana.

Marcchione aproveitou ainda a ocasião para falar de algumas iniciativas que prevê para o bairro como a construção em mutirão de casas, área de lazer, outra escola e um centro comunitário. "Unindo esforços podemos realizar muitos sonhos", garantiu o prefeito.

"Quero deixá-los muito à vontade para que, na medida em que precisarem da prefeitura, solicitem-nos. Eu acredito muito na participação popular e temos sempre que levantar essa bandeira. Temos na Rede a participação da Adriana, um forte elo entre a Rede e a prefeitura, para que possamos desenvolver isso", comprometeu-se Marccione. "E pedimos ainda, que a partir desse modelo de Desenvolvimento Local, que a Rede nos ajude a aplicar isso em outros bairros da cidade", finaliza o prefeito.

Entrevista: Prefeito de Catanduva fala, com exclusividade, sobre desenvolvimento social do município

Segundo um levantamento realizado pelo Programa Formatos Brasil do Senac em maio de 2005, há em Catanduva (interior de São Paulo) cerca de 200 organizações sem fins lucrativos que compõem o Terceiro Setor da cidade.

Da Rede Social Catanduva, que nasceu em maio de 2004, participam cerca de 30 representantes da sociedade civil organizada, poder público e pessoas da comunidade, de entidades, associações, ONGs etc.

Para falar sobre esse novo modelo de organização da sociedade e do desenvolvimento social de Catanduva, o prefeito Afonso Macchione Neto cedeu ao Setor3 uma entrevista exclusiva. Confira:

Setor3 - O Senhor lembrou que está há 18 meses na gestão do município. Qual sua avaliação do desenvolvimento social da cidade até então e o que o senhor vislumbra para os próximos períodos?
Prefeito Afonso Macchione Neto - Acho que a área social nesse período teve um grande ganho. Nós estamos cuidando com muito carinho da área social. Até hoje tudo o que foi necessário e foi solicitado pela nossa Secretária, procuramos atendê-la. Estamos procurando fazer um atendimento descentralizado através do CRAS (Centro de Referência da Assistência Social) que, eu acredito, irá facilitar muito a comunidade, especialmente no "ouvir". Porque as pessoas precisam ser ouvidas, afinal elas têm muito a dizer. Essa descentralização por meio do CRAS vai nos ajudar muito. Além do mais, estamos muito felizes de contar com a participação dessa entidade séria que é o Senac, que tem aqui uma gerente extremamente ativa na área social. Nós temos a certeza de que vamos desenvolver ótimas parcerias por meio da Rede Social. Estou ansioso pra ver tudo isso em prática porque tenho certeza que as coisas vão começar a acontecer. Também estou muito feliz com esse trabalho que o Vasco está desenvolvendo lá no Pachá. Tenho certeza que tudo isso vai ser um modelo para outros bairros e juntos (comunidade, empresas e a prefeitura) podemos melhorar muito.

Setor3 - Interessante o senhor falar sobre esse "trabalhar juntos". Como o senhor vê o trabalho em Rede e a participação da prefeitura nessa Rede Social?
Prefeito Afonso Macchione Neto ? Para se trabalhar em Rede, as pessoas têm quem ficar muito conscientes de que se trata de um trabalho desprovido. Se alguém estiver participando da Rede buscando um outro interesse, com certeza não vamos conseguir desenvolvê-lo. E é o que foi colocado aqui: se as pessoas começarem a se sentirem enciumadas com a participação de outras, daí nosso projeto vai sucumbir. As pessoas têm que vir pra Rede totalmente desprovidas de uma outra intenção. A intenção tem que ser única e exclusivamente o trabalho para a comunidade. Acho que aí dá resultado.

Setor3 - Hoje há em Catanduva um número expressivo de organizações sem fins lucrativos na cidade. Como o senhor vê o desenvolvimento do Terceiro Setor na cidade?
Prefeito Afonso Macchione Neto - Se a comunidade não assumir e ajudar a administração pública, dificilmente não vamos conseguir mudar a cara desse país. Nós precisamos que todos se conscientizem, que todos participem, que todos possam colocar seu ponto de vista. E estamos fazendo um trabalho muito grande nesse sentido com o Plano Diretor do município. Fizemos mais de 50 reuniões com representantes dos mais variados setores dos municípios para que todas as pessoas participem. Infelizmente a participação não foi o que a gente imaginava. Foi uma participação pequena, mas uma semente plantada. E a essas mais de 180 entidades, devemos uma consideração muito grande porque são elas que acabam assumindo muito do que seria de responsabilidade do órgão público. Elas nos ajudam muito.

Setor3 - Bastante interessante o comentário que o senhor fez sobre a sociedade civil também assumir algumas responsabilidades com a comunidade. Essa força também pode vir também com a Rede Social, ou seja, com a união de todos os setores?
Prefeito Afonso Macchione Neto ? Sem dúvida! A Rede Social é fundamental para atrair a comunidade.

Setor3 - O Senhor pode explicar o Plano Diretor para nossos leitores?
Prefeito Afonso Macchione Neto - Nós somos obrigados por meio de uma lei do Ministério das Cidades a elaboramos um Plano Diretor que deve ser aprovado até outubro. Mas independente da obrigação, eu não vejo uma administração pública sem um Plano Diretor que é a diretriz administrativa. Não dá para um administrador sentar aqui e querer fazer as coisas da cabeça dele. Então, o Plano Diretor vai nortear as estruturas da administração. Além de nos dar o norte vai nos dar o suporte legal. Então, é de suma importância o Pla no Diretor para um Município. Infelizmente teve que ser através de uma lei maior para que se tornasse uma obrigação. Acho que tinha que ser do bom senso do administrador fazer independente da obrigação.

Setor3 - E como está acontecendo em Catanduva?
Prefeito Afonso Macchione Neto - Estamos em fase final. Agora no dia 22 teremos a última reunião com todos os delegados que foram em grande parte indicados pela comunidade a outra parte pelo poder publico. Daí, teremos o fechamento. Encerraremos todas as dúvidas e vai tomar a forma de projeto de lei e logo na primeira semana de agosto será enviado para a Câmara.

Setor3 - O senhor poderia fazer uma análise do que foi apresentado hoje pela Rede Social, suas atividades, projetos etc?
Prefeito Afonso Macchione Neto - Na verdade, o trabalho da Rede já está acontecendo há algum tempo graças a essa metodologia do Senac que já fez uma grande formação do trabalho de várias pessoas que agregam e fazem parte desse grupo. E eu fico muito feliz que estamos iniciando esse trabalho pelo Pachá porque sei que o Presidente da Associação do bairro, o Vasco, realmente põe a mão na massa. E nós precisávamos de um modelo justamente assim como está sendo realizado lá. Tenho certeza que o modelo Pachá será um modelo que vai vingar e ser levado para outros bairros também que serão contemplados a partir daí.

Texto escrito por Lisandra Maioli
Disponível em: http://www.setor3.com.br/jsp/default.jsp?tab=00002&subTab=00000&newsID=a491.htm&template=58.dwt&testeira=33&sectid=185

Exibições: 171

Comentar

Você precisa ser um membro de Escola de Redes para adicionar comentários!

Entrar em Escola de Redes

© 2019   Criado por Augusto de Franco.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço