Escola de Redes

NING PASSARÁ A SER COBRADO: MEUS 7 TWEETS DE ONTEM SOBRE ISSO



@ning vai passar a ser cobrado? Então vamos exigir mudanças: 1) retirar os ridículos presentes caça-cliques...

@ning vai passar a ser cobrado? Então vamos exigir mudanças: 2) permitir backup de todo conteúdo

@ning vai passar a ser cobrado? Então vamos exigir mudanças: 3) aumentar a interatividade (com um indicador embutido)

@ning vai passar a ser cobrado? Então vamos exigir mudanças: 4) ter proteção mais eficaz contra programas maliciosos

@ning vai passar a ser cobrado? Então vamos exigir mudanças: 5) ter dispositivos de indexação de conteúdo

@ning vai passar a ser cobrado? Então vamos exigir mudanças: 6) abrir a plataforma para programação distribuída

@ning vai passar a ser cobrado? Então vamos exigir mudanças: 7) aceitar incrustação de wikis



Vejam abaixo a matéria do Tech Crunch

Ning’s Bubble Bursts: No More Free Networks, Cuts 40% Of Staff

by Jason Kincaid on Apr 15, 2010

One month after long-time Ning CEO Gina Bianchini was replaced by COO Jason Rosenthal, the company is making some major changes: It has just announced that it is killing off its free product, forcing existing free networks to either make the change to premium accounts or migrate their networks elsewhere. Rosenthal has also just announced that the company has cut nearly 70 people — over 40% of its staff. Here’s the email Rosenthal just sent out to the company:

Team,

When I became CEO 30 days ago, I told you I would take a hard look at our business. This process has brought real clarity to what’s working, what’s not, and what we need to do now to make Ning a big success.

My main conclusion is that we need to double down on our premium services business. Our Premium Ning Networks like Friends or Enemies, Linkin Park, Shred or Die, Pickens Plan, and tens of thousands of others both drive 75% of our monthly US traffic, and those Network Creators need and will pay for many more services and features from us.

So, we are going to change our strategy to devote 100% of our resources to building the winning product to capture this big opportunity. We will phase out our free service. Existing free networks will have the opportunity to either convert to paying for premium services, or transition off of Ning. We will judge ourselves by our ability to enable and power Premium Ning Networks at huge scale. And all of our product development capability will be devoted to making paying Network Creators extremely happy.

As a consequence of this change, I have also made the very tough decision to reduce the size of our team from 167 people to 98 people. As hard as this is to do, I am confident that this is the right decision for our company, our business, and our customers. Marc and I will work diligently with everyone affected by this to help them find great opportunities at other companies.

I’ve never seen a more talented and devoted team, and it has been my privilege to get to know and work with each and every one of you over the last 18 months.

We’ll use today to say goodbye to our friends and teammates who will be leaving the company. Tomorrow, I will take you through, in detail, our plans for the next three months and our new focus.

Thanks,
Jason Rosenthal

Ning’s announcement also says that it will be giving network creators more details in the next two weeks.

While the email talks about Free versus Premium paid networks, Ning actually has a variety of different premium upgrades. Currently, Ning’s premium options include support (which has a $10/month and $100/month options for different service levels); Custom domains ($5 a month); Extra storage and bandwidth ($10 a month); Ad removal ($25 a month) and the ability to hide any trace that you’re running on Ning ($25 a month).

As a result of today’s news I suspect we’ll see quite a few active networks jump to whatever the cheapest premium option is; I don’t expect Ning to make it especially easy to port their data to a different service. There will also certainly be a backlash from Ning’s vocal community of Network Creators, many of whom have invested quite of bit of time building out their niche networks.

While the massive layoffs are obviously a big hit to the company, it isn’t all bad news for Ning: the service is still seeing its traffic grow according to comScore (see graph below). But traffic growth is no longer good enough for the company — it needs to start generating some serious revenue, and advertising clearly isn’t cutting it. Ning has raised around $120 million, getting valuations of a half-billion dollars in April 2008 and a reported $750 million last summer.



Petitions by Change.org|Start a Petition »

Exibições: 235

Comentar

Você precisa ser um membro de Escola de Redes para adicionar comentários!

Entrar em Escola de Redes

Comentário de Augusto de Franco em 23 abril 2010 às 15:50
Já há um grupo aqui pensando sobre isso, caro Maurício. Dê uma olhada lá quando puder: PENSANDO UMA PLATAFORMA DE NETWEAVING. Já incluí o Boonex na lista, tks. Abraços.
Comentário de Mauricio Abreu em 23 abril 2010 às 12:53
Gostaria de colocar uma proposição sobre esta questão do Ning se tornar pago. Que tal se a Escola de Redes tivesse seu próprio ambiente de rede social, ou seja, com seu próprio servidor? Coloco esta proposição pois existe um fantástico software livre, ou seja sem necessidade de licenciamento e que pode ser baixado e usado livremente, que implementa redes socias em uma forma mais abrangente do que o Ning. Este software é o Dolphin (www.boonex.com). Este software já ganhou vários prêmios pela sua abrangência e versatilidade com relação ao trabalho com redes sociais.

Nós aqui no Canadá criamos uma rede social só para brasileiros que moram no exterior (falesumnet.com) e utilizamos o Dolphi. Avaliem este software e os exemplos de redes desenvolvidas com ele. Não conheço nenhum provedor no Brasil que tenha este produto para instalação porém já existem algumas comunidades no Brasil que já utilizam o Dolphi hospedado em provedores nos EUA e Canadá.

Acredito que com a utilização do Dolphi a Escola de Redes poderá ter uma total independência com relação a estas questões de aprisionamento que acabam trazendo dificuldades para os usuários de serviços gratuitos. Além do fato da Escola de Redes ficar com o controle de toda a base de dados para backup e manutenção. Abs.
Comentário de Vicente Reis em 22 abril 2010 às 2:53
Atualmente, 10 mil comunidades pagam ao Ning uma taxa mensal de US$ 4,95 para ter um serviço premium. Os detalhes de como será o serviço pago, quanto vai custar aos donos de comunidades e sobretudo o que acontecerá com as comunidades já existentes que não quiserem pagar nada serão revelados no dia 4 de maio.

Rosenthal afirmou que o “novo modelo de negócios” será explicitado no dia 4, por meio de uma conferência pública. Desde sua criação, o Ning recebeu US$ 120 milhões em investimentos de capital de risco e até o momento não mostrou como será capaz de recompensar seus investidores.

A menos que uma mudança nesse sistema seja implementada, bastará aos usuários da modalidade gratuita assinar um dos serviços premium, provavelmente o mais barato. Ou…

Tentei pensar noutra analogia, mas não me veio nada diferente de urubus aproveitando o momento. Várias redes concorrentes, algumas até com propostas diferentes, ofereceram-se a receber os órfãos do Ning gratuito. GROU.PS, posterous (!?), Grouply e Automattic (via BuddyPress) já se manifestaram. Em último caso, todos ganham: esses serviços ao receberem mais usuários, e esses, um leque de alternativas gratuitas ao Ning premium.
Comentário de Nilton Lessa em 19 abril 2010 às 11:39
Foi lançado hj um plugin do BuddyPress para importação de redes Ning --> BuddyPress.
Temos o BuddyPress instalado aqui na Moleque(usamos bastante o "irmão mais velho dele" o WordPress) e vamos fazer o teste de importação.

Postarei aqui as impressões e resultados.

Abs,
Comentário de Maria Thereza do Amaral em 19 abril 2010 às 10:30
.
"Não me revolto com o fato de ter de pagar por um produto. Se pensasse assim não poderia ganhar a vida."

Concordo com a frase do Augusto, ainda mais pensando em dinheiro como energia de troca saudável e prosperidade.

E concordando e provocando o Marcelo ao mesmo tempo: "Vamos fazer um fundraising? Vamos criar uma conta no paypal ou pagseguro para que a escola de redes possa ter uns trocos para coisas desse tipo? Reitero que não me incomodo em pagar pelo serviço do Ning ou qualquer outra coisa. E tenho por hábito (e por profissão, estimulando o hábito) doar para causas que defendo. Pra dar um primeiro passo, separo 50 reais para a "causa" E=R. Independentemente desse dinheiro ir pro Ning ou pra qualquer outra coisa da E=R. Comecemos um fundo, ele, em si, já é um tema: "cultura da doação"."

Concordo com tudo menos com a "doação" : para mim é troca, contribuição, ou algo do gênero, porque falamos de redes...
.
Comentário de Augusto de Franco em 19 abril 2010 às 9:12
Então abri um novo grupo intitulado PENSANDO UMA PLATAFORMA DE NETWEAVING. Quem quiser aceitar o desafio de descrever as características de uma plataforma de articulação e animação de redes mais adequada à E=R e a outras redes sociais, por favor, entre lá.
Comentário de Augusto de Franco em 19 abril 2010 às 7:57
Mais "alternativas" (por favor, leia primeiro o comentário abaixo até o fim):

Ning Ends Free Networks - Try These Alternatives

Do blog Free Technologuy for Teachers (15/04/10) [meu comentário: se bem que no nosso caso buscamos novas tecnologias para aprendentes, não para ensinantes]

White label social network host Ning, announced today that they are discontinuing their free offerings. This will force the organizers of existing networks like The Educators PLN to upgrade to premium plans. For large networks the cost may not be prohibitive, but for small networks such as those organized around a school or small organization the cost may force them to search out some alternatives.

Here are some alternatives to Ning that you can use to organize your own social network.

CubeTree is a free service designed for companies that would like to build a social network of wikis, shared items, and microblogs for their employees. On CubeTree anyone can create a network and invite colleagues. All colleagues must have the same email domain. For example, if I wanted to create a network, only people with an @freetech4teachers.com domain could be in my network. Everyone in the network can create a profile (Facebook-like), post updates, share documents, collaborate on documents and spreadsheets, and share items from their RSS feeds.

Jabbster is a free service that allows families and groups to create private online communication networks. Within your private network you can host discussion boards, share photos, post an event calendar, and share bookmarks. Setting up a Jabbster group is quick and easy. Simply register for an account, name your group, and send invitations to the people you want in the group. If you create the group, you are the group administrator and can delete any content or user from the group at any time.

ShoutEm allows you to make your own public or private network. As the administrator of your own network you can restrict access to only those people you invite. You can also exclude entire email domains in the adminstrative settings. Your ShoutEm network can be as simple as Twitter or as robust as FriendFeed. As the administrator of your ShoutEm network you can choose to allow users to post pictures, attachments, and have threaded conversations.

Edmodo is a microblogging system designed specifically for teachers and students. Using Edmodo teachers can create a microblogging network for their classes. Edmodo allows teachers to create a group specifically for their students and exclude those not invited to the group. Edmodo provides teachers with a place to post assignment reminders, build an event calendar, and post messages to the group. Just as with any good microblogging service users can share links, videos, and images.
Comentário de Augusto de Franco em 19 abril 2010 às 7:30
Recebi hoje por e-mail da Cláudia Amaral (do Grupo Social Media for Nonprofit Organizations, do Linkedln)

For folks helping others who might be Ning users figure out what to do next, here are some useful articles:

Ning Alternatives, Collaboration, & Self Hosting
http://www.downes.ca/cgi-bin/page.cgi?post=52240

Grou.ps And Grouply Welcome Ning Refugees
http://bit.ly/ctFI3q

Ning Ends Free Networks - Try These Alternatives
http://oedb.org/blogs/ilibrarian/2010/ning-ends-free-networks-try-t...

Posterous commits to building a Ning blog importer. Bring your network to Posterous, for free
http://post.ly/aie8

5 Places To Take Your Ning Network
http://feedproxy.google.com/~r/BlackWeb20/~3/i2EpQAwJxco/

Ning Alternatives, Collaboration, & Self Hosting
http://educationaltechnology.ca/couros/1795

Any nonprofit that works on social justice and environment issues is welcome to move over WiserEarth Groups - we're free and ad free. See more here: http://www.wiserearth.org/article/wiserearthgroups

E agora as 6 opção do Mashable:

Grou.ps advertises itself as having “a cleaner interface” and “more features” than Ning. It’s a do-it-yourself platform that lets you create networks around any kind of content. To see an example, check out BlackBerry Leaks, a site for BlackBerry fanatics.

Spruz is one site that’s specifically reaching out to Ning users, hoping to help ease their transition to a new platform. Saying he knew Ning was destined for implosion, CEO Jay Roberts writes, “We at Spruz have been working for the past six months to strengthen our free offering into a highly sustainable one [...] You are FREE to stay as long as you like!” Here is one example of a Spruz-powered site.

SocialGO is another network-building tool that offers a free option. Check out this example of a SocialGO networking site. CEO Dominic Wheatley wrote yesterday that he, too, encouraged dissatisfied Ning users to migrate to his site by opening their API, stating, “For the sake of those customers, we urge Ning to take the honorable course of action and tear down this wall[...] allow those who have invested so much in the Ning platform to take their content to a social networking platform of their choosing.”

If you’re a WordPress (WordPress) fan, check out BuddyPress (Buddypress.org). Both from parent company Automattic, these popular, open-source platforms are known for being powerful, flexible, simple and having a sizable group of plugins and customization options. If you want a test drive, check out the demo site. This is a DIY solution; you’ll have to take care of your own download, installation and hosting.

Lovd By Less is another open-source solution written in Ruby on Rails by dev shop Less Everything. Another solution from the DIY camp, Lovd By Less can be used to create clean and trendy sites such as this demo.

A final free and open source choice is Elgg. Elgg also has a hosted, no-hassles version for the tech-averse, as well. Here’s an example of an Elgg-powered social networking site.

E mais:

Além do que já foi mencionado nos comentários, há ainda o Junto, no qual está empenhada a Venessa Miemis.

Prá que tudo isso?

Bem, estamos colecionando essas indicações não para escolher uma nova plataforma neste momento para a Escola-de-Redes e sim para examinar as alternativas. Um de nossos objetivos (da E=R) é criar tecnologias de netweaving. Então estamos diante de um desafio: pelo menos descrever o que deveria conter uma ferramenta virtual de articulação de redes sociais.

Daqui a pouco vou criar um grupo para isso.
Comentário de Lía Goren em 18 abril 2010 às 20:08
De mi parte intento describir patrones de relacionamiento, no de nuestras decisiones o estados personales. Yo tampoco me siento viciada, jaja.
Creo que se trata de visualizar una meta dinámica, por encima de la dinámica personal.
abs.
Comentário de Marcelo Estraviz em 18 abril 2010 às 18:20
Ainda no assunto, achei este post (em inglês) sobre 6 opções ao Ning: http://mashable.com/2010/04/18/ning-alternatives/

Vi que todas as maiores networks sediadas no ning estão discutindo fortemente o assunto. Eu tenho minha opinião pessoal: Neste mundo "versão beta" que é a chamada web 2.0 não é pra considerarmos nada fixo nem eterno nem constante. Os mais radicais tem medo do Google pois acham que um dia eles passarão a cobrar por serviços como o email, por exemplo. Os mais desavisados colocam toda sua produção em empresas que estão ainda em fase de expansao, buscando seus dinheiros em rounds de financiamento e com chances grandes de fecharem suas portas. Essa nova vida é assim e não devemos nos angustiar por isso.

Sendo assim, não me identificom com a metáfora do dealer de drogas que a Lia comentou. Não me sinto um viciado em nada dessa web versão beta nem acho que essas empresas são traficantes fantasiados de bons moços. Estamos todos testando, somos todos versão beta.

Ninguem em sã consciencia faria uma mudança radical de free para cobrado. Nas próximas semanas se saberá ao que veio esse novo CEO, que deve ter suas pressões de investidores e precisou demitir e quer propor saidas de receitas. Nessas duas semanas também surgirão riquezas insuspeitas das comunidades que estão, como nós, buscando alternativas. Ecomo vivemos na lógica da abundância, haverá espaço para todos.

Vejam que riqueza ocorreu nestes dias:
- Avançamos mais em entender o que queremos do "novo" ning.
- Conhecemos outras plataformas similares.
- Iniciamos um processo de financiamento, ainda incipiente.
- E ainda refletimos sobre a cultura patriarcal!

abs,
me

© 2019   Criado por Augusto de Franco.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço