Escola de Redes

Ning deixará de ser gratuito com a chegada do novo CEO Jason Rosentahal

Plataforma para criação de redes sociais muda estratégia com chegada de novo CEO. Detalhes da mudança serão anunciados em duas semanas


O Ning, serviço que permite a criação de redes sociais individualizadas, deixará de ser gratuito. O novo CEO da empresa, Jason Rosentahal, que assumiu o cargo há um mês, anunciou a mudança ontem em um e-mail enviado a funcionários da companhia. No comunicado, ele diz que a nova estratégia é investir nas vantagens das contas premium, porque as redes do Ning que já usam esse modelo são responsáveis por 75% do tráfego do site e, portanto, estariam dispostas a pagar pelos serviços.

O e-mail de Rosentahal foi reproduzido por John Mcdonald, vice-presidente jurídico do Ning, em um fórum no próprio site da empresa, e gerou diversos comentários de usuários, que se dividiram entre os que concordam com a mudança e os que sugerem a migração das redes criadas no Ning para outros serviços semelhantes gratuitos, como o Yuku e o Grou.ps. Um tópico chegou a ser criado para listar alternativas ao Ning àqueles que não querem aderir ao serviço premium.

Além de passar a cobrar por todos os serviços, o novo CEO do Ning anunciou a demissão de 69 dos 167 empregados, cerca de 40%. "Embora tenha sido muito difícil fazer isso, estou confiante que foi a decisão correta para nossa companhia, nosso negócio e nossos clientes. Marc [Andreessen, co-fundador] e eu trabalharemos com todos os afetados por essa decisão para ajudá-los a achar grandes oportunidades em outras empresas", escreveu Rosentahal.

Ainda de acordo com o CEO, as redes criadas gratuitamente no Ning poderão ser convertidas para contas pagas ou migrar para fora do Ning. "Sei que muitos de vocês terão dúvidas sobre esse anúncio", disse McDonald. Os planos detalhados para a transição do serviço serão anunciados em duas semanas, segundo o vice-presidente jurídico da empresa.

Atualmente, 10 mil comunidades pagam ao Ning uma taxa mensal de US$ 4,95 para ter um serviço premium. Os detalhes de como será o serviço pago, quanto vai custar aos donos de comunidades e sobretudo o que acontecerá com as comunidades já existentes que não quiserem pagar nada serão revelados no dia 4 de maio.

Rosenthal afirmou que o “novo modelo de negócios” será explicitado no dia 4, por meio de uma conferência pública. Desde sua criação, o Ning recebeu US$ 120 milhões em investimentos de capital de risco e até o momento não mostrou como será capaz de recompensar seus investidores.

A menos que uma mudança nesse sistema seja implementada, bastará aos usuários da modalidade gratuita assinar um dos serviços premium, provavelmente o mais barato. Ou…

Tentei pensar noutra analogia, mas não me veio nada diferente de urubus aproveitando o momento. Várias redes concorrentes, algumas até com propostas diferentes, ofereceram-se a receber os órfãos do Ning gratuito. GROU.PS, posterous (!?), Grouply e Automattic (via BuddyPress) já se manifestaram. Em último caso, todos ganham: esses serviços ao receberem mais usuários, e esses, um leque de alternativas gratuitas ao Ning premium.





Fonte Portal Exame :
http://portalexame.abril.com.br/tecnologia/noticias/ning-deixara-se...

Exibições: 75

Comentar

Você precisa ser um membro de Escola de Redes para adicionar comentários!

Entrar em Escola de Redes

© 2019   Criado por Augusto de Franco.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço