Escola de Redes


Caso realizemos nosso Simpósio - da Escola-de-Redes - agora (de 26 a 28 de junho de 2009, em Campos do Jordão) ou depois (entre 11 e 14 de março de 2010, em Curitiba), é bom ir-mo-nos (!) preparando. Não se pode mais alugar os ouvidos dos participantes com aquelas falações intermináveis apoiadas por apresentações em que o palestrante fica lendo o que está escrito nos slides. Tim Longhurst comenta no artigo abaixo os Mandamentos do TED: regras que todo palestrante precisa conhecer. Se alguém se dispusesse a verter para o português, seria ótimo!

The TED Commandments - rules every speaker needs to know

Tim Longhurst: May 16th, 2008

TED Talks are some of the best speeches I watch. The speakers are innovators and leaders, dreamers and doers. The talks are recorded at the annual TED Conference and many of them are available to download free from ted.com.


Recently, I discovered one of the reasons the speeches are so good… TED’s organisers send upcoming speakers a stone tablet, engraved with the ‘TED Commandments”. Amy Tan in her TED Talk described the arrival of the TED Commandments as “something that creates a near-death experience; but near-death is good for creativity…”.

So I went in search of the TED Commandments. Thankfully Sue Pelletier points out that Rives was good enough to post a photo of the TED Commandments on his blog, shopliftwindchimes (scroll to 20 Feb). But you don’t need to settle for a photo, because I’ve typed them below:

1 | Thou Shalt Not Simply Trot Out thy Usual Shtick

2 | Thou Shalt Dream a Great Dream, or Show Forth a Wondrous New Thing, Or Share Something Thou Hast Never Shared Before

3 | Thou Shalt Reveal thy Curiosity and Thy Passion

4 | Thou Shalt Tell a Story

5 | Thou Shalt Freely Comment on the Utterances of Other Speakers for the Skae of Blessed Connection and Exquisite Controversy

6 | Thou Shalt Not Flaunt thine Ego. Be Thou Vulnerable. Speak of thy Failure as well as thy Success

7 | Thou Shalt Not Sell from the Stage: Neither thy Company, thy Goods, thy Writings, nor thy Desparate need for Funding; Lest Thou be Cast Aside into Outer Darkness

8 | Thou Shalt Remember all the while: Laughter is Good

9 | Thou Shalt Not Read thy Speech

10 | Thou Shalt Not Steal the Time of Them that Follow Thee


Desejo um bom trabalho à nossa equipe espontânea de tradutores cooperativos, he he!

Exibições: 349

Comentar

Você precisa ser um membro de Escola de Redes para adicionar comentários!

Entrar em Escola de Redes

Comentário de Augusto de Franco em 11 junho 2009 às 6:29
Sobre o tema em debate aqui, vejam um post interessante que encontrei no blog http://elastico.net:

Algunas notas sobre El Arte de la Conferencia

José Luis Vicente, Elastico (27/04/09)

Este martes en el Centro de Cultura Contemporánea de Barcelona, haré las veces de anfitrión en un diálogo con Bruno Giussani, director en Europa de la célebre "conference" americana TED y de su archivo web de presentaciones TED Talks. Hablaremos sobre la transformación que está viviendo la conferencia como formato, sobre sus posibilidades para convertirse en una nueva industria cultural, y por supuesto, sobre el uso pionero que TED ha realizado de la Web. Será a las 19:00 en el Mirador y la entrada es libre Estas son mis notas planteando algunos puntos de partida posibles para la conversación.

Ya se llame conferencia, presentación o charla, el formato basado en relatar ideas frente a un público está hoy más vivo que nunca. La explosión del número de festivales, simposios y jornadas, o su uso en el ámbito académico o corporativo, la ha convertido un acto de comunicación cotidiano. Pero la conferencia está cambiando; las posibilidades de los softwares de presentación la están convirtiendo en un acto cada vez más performativo y teatral. Conceptos como el de unconference quieren darle la vuelta a su modelo. Y en los últimos años, el vídeo en Internet ha propiciado la conversión de la charla en un producto de consumo cultural masivo, tan fácilmente distribuible como una canción o un videoclip.

Comunidades Virtuales engendran comunidades presenciales. En "In the Bubble: Designing in a Complex World", John Tackara destaca que la aparición de Internet ha incrementado el tráfico de bienes que circulan por el mundo, y ha supuesto un impulso imortante para la industria de la logística. De la misma manera, la extensa conversación global que mantienen millones de internautas en blogs, foros y listas de correo no ha sustituido a la necesidad de reunirse en espacios físicos, sino que la ha estimulado. El circuito y la industria de las conferencias profesionales, los festivales, simposios y jornadas ha crecido exponencialmente en la última década,como una forma de turismo cultural pero también como una necesidad para cohesionar a los grupos profesionales y de intereses que se establecen en la Red.

La profesionalización extrema de la industria de la conferencia ha creado imperios como la empresa de conferencias tecnológicas O'Reilly, organizadora de eventos como ETech, Where 2.0 y otros, y ha fomentado la existencia de un "star system" de gurús representados por agencias y extremadamente bien pagados. Este proceso, sin embargo, coexiste con un movimiento contrario que reclama volver a encuentros donde mande la espontaneidad, la cercanía, y una vuelta al espíritu de la tertulia. El concepto de unconference, o formatos que se extienden de manera vírica a través de la red como Dorkbot o Pecha Kucha son ejemplos de una sensiblilidad más próxima al "Do it Yourself".

"Powerpoint is Evil" es uno de los mantras más conocidos de Edward Tufte, el célebre experto en diseño de la información. En su ensayo "The Cognitive Style of Powerpoint". Tufte denuncia de qué manera el popular producto de presentaciones de Microsoft impone estructuras y metodologías que acaban siendo fatales para el acto básico de comunicación que supone una charla. La “estética Powerpoint”, identificada con el contexto corporativo donde se emplea cotidianamente, se ha convertido en sinónimo de todo lo que se debe evitar cuando te diriges en público a una audiencia. Sin embargo, la "estética Powerpoint" es un cliché que no representa a los mejores usos posibles del software para presentaciones. Oradores como Lawrence Lessig, un intelectual cuyas ideas presentadas en público son ya inseparables de su estilo y estrategías usando el programa Apple Keynote, representan la evolución y madurez de la conferencia hipermedia. El slideshow como práctica creativa tiene su culminación en sitios como Slideshare, el "youtube de las presentaciones", donde los usuarios suben, comentan y enlazan miles de archivos de diapositivas.

TED fue la primera conference que ha dado el paso de utilizar el video en la web como una oportunidad para transformar el status de la conferencia y convertirla en un producto de consumo cultural. A pesar de ser probablemente una de las citas más elitistas del mundo, su proyecto TED Talks es un modelo que debería seguir cualquier institución cultural que quiera difundir y extender el conocimiento producido por sus actividades. Como archivo de conferencias sobre un tema específico -culturas y ciencias de la innovación-, TED Talks es un recurso muy valioso, pero su posición de referencia reside, sobre todo, en su capacidad para presentar sus contenidos en formatos y lenguajes idóneos para extenderse por la web social y alcanzar un impacto que trasciende ampliamente al de la actividad original.
Comentário de Fabiano Morais em 3 junho 2009 às 19:09
Acho o formato TED perfeito. E a proposição dele no nosso Simpósio terá como reflexo prático apresentações mais dinâmicas e menos egocentricas. Até mesmo quem sair do 'esquema' (conscientemente) terá subsídios para faze-lo de uma forma mais interessante.
Comentário de Célia Schlithler em 24 maio 2009 às 9:40
É claro que entendi que é uma paródia, tanto que minha resposta foi no mesmo espírito. O que tentei questionar foi o excesso de regras para uma atividade (simpósio) da rede (que, todos sabemos, não é este site, etc, etc.). Nada contra o TED em si mas, sim, as regras para as apresentações no simpósio - e não posso deixar de achar simbólico que ele esteja em forma de mandamentos (vício meu de interpretar quase tudo). Entenderam???
E, por fim, eu considero salutar para a Escola um questionamentozinho de vez em quando...
Comentário de Marcelo Estraviz em 23 maio 2009 às 17:19
Ah, ia esquecendo! Sigamos SIM o oitavo mandamento:
"Thou Shalt Remember all the while: Laughter is Good"!
Comentário de Marcelo Estraviz em 23 maio 2009 às 16:21
Eu gosto do TED. Mas o TED não é uma rede social. Mas eu continuo gostando do TED. Nem tudo que eu gosto são redes sociais, hehehe.

Gosto do modelo do TED porque eu estou absolutamente cansado de longas explicações, longas palestras denominadas debates quando são na verdade monólogos. Mesas redondas quando são na verdade 3 ou 4 monólogos em uma bancada que nem redonda é. Estou cansado de congressos e seminários porque são os cafés mais caros que conheço (percebem que só gostamos do coffe break ultimamente?)

Gostei do Augusto chamar de simpósio, porque sei que por trás disso está uma tentativa de que não seja algo que tem sido tão chato e sonífero. Gostei quando sugeriu o modelo TED, porque sei que por trás disso está a idéia de assistirmos apresentações incríveis e ao mesmo tempo curtas.

Eu sigo o conselho do Voltaire (e até ontem achava que era do Quintana): Escrevo-vos uma longa carta porque não tenho tempo de a escrever breve.. Pra falarmos pouco temos que pensar muito. Uma síntese é muito mais difícil que uma tese. Falar em 18 minutos é uma arte. Será que conseguimos? Vamos treinar? Vai ser divertido.

abs (antes que isso vire uma carta longa) do estraviz
Comentário de Augusto de Franco em 23 maio 2009 às 16:07
Eles fizeram um tipo de paródia, Célia. Usando inclusive inglês arcaico (para ficar parecido com a linguagem bíblica). Entendi como uma brincadeira produtiva. Os caras são divertidos. Isso, talvez, seja o mais admirável neles. Um certo espírito, vamos dizer assim, carioca: " - É melhor ser alegre que ser triste, alegria é a melhor coisa que existe..."

Mas a regrinha deles, de 18 minutos para cada um fazer a palestra da sua vida, mostrou-se muito acertada. Hoje é um exemplo de coisa que não esgota a paciência de ninguém. Dê uma espiada - www.ted.com - e você vai comprovar.

Sim, estamos adotando o modelo da desconferência. Como você viu não há nem pauta em termos substantivos. Cada um vai pré-inscrever sua apresentação e na primeira seção do Simpósio vamos ratificar, mudar e escolher (se for necessário). Mas... já que é necessário ter um tempo limite para cada apresentação (e isso é inegável, pois senão uma pessoa pode falar duas horas e outra fica sem falar), a sugestão do TED parece bacana. Quando a gente é obrigado a sintetizar, aperfeiçoa o que vai dizer.

O TED não foi proposto em letras garrafais para que alguém seguisse os mandamentos e sim para que alguém fizesse a tradução para o português (o que ocorreu). Aquela era a marca da iniciativa (deles). Era uma novidade. Sempre damos destaques para as novidades. Veja lá hoje: temos uma foto do nosso querido William Irwin Thompson (em tamanho "garrafal").

A auto-regulação da rede é uma função dos seus graus de distribuição e conectividade. Se você quiser saber a minha opinião, ainda não somos uma rede distribuída e altamente conectada a ponto de constituir um tecido de comunidade (todos-com-todos). E nunca seremos - com quase 1.700 participantes (and growing...) - a menos que consigamos ensejar o fenômeno da clusterização em escala ponderável. Cada cluster (nodo) formado com base no compartilhamento de agendas pode vir, sim, a ser uma comunidade (desde que se dedique a compartilhar uma agenda). Acho que tudo isso tem a ver com aquelas nossas discussões sobre o tal Número de Dunbar e sobre o misterioso 1%.

Não acho que este site se auto-regule, porque não acho que este site seja uma rede social, e sim uma ferramenta que pode servir para a articulação e a animação de uma rede social - se e quando ela existir. A regulação, por enquanto, é feita por quem assume o papel de netweaver, seja na plataforma como um todo, seja nos vários grupos (em geral - mas não somente - esses são os aqui chamados de administradores).

Não sei se você já organizou ou participou de algo assim, mas eu confesso que nunca participei de um evento - relativamente grande em termos logísticos, como esse - no qual as coisas estivessem tão livres. E tão submetidas à construção coletiva. A proposta de programação foi feita porque é necessário ter uma qualquer, até para recolher sugestões. Mas, como o nome está dizendo, é apenas uma proposta, que permanece aberta à modificações.

Mas suas observações são importantes porque, realmente, estamos todos aprendendo. Cometemos - eu cometi - entretanto, um erro ao propor o simpósio: chamá-lo de I Simpósio Anual. Depois vi que isso não tem cabimento. Não vamos mesmo ter um simpósio anual. É apenas um simpósio da Escola-de-Redes, proposto por uma pessoa. No modo-de-regulação adotado aqui, podem existir vários outros simpósios, propostos por outras pessoas. Todos serão, igualmente, simpósios da Escola-de-Redes. E comparecerão em um ou vários deles, as pessoas que quiserem participar. Quem não concordar com algum ou alguns deles, quem achar que esse ou aquele não é bem assim, não participa. Ou participa de outro. Ou propõe outro. Ou não participa de nenhum.

Para fazer suas sugestões clique aqui.
Comentário de Célia Schlithler em 23 maio 2009 às 12:14
O TED foi proposto em letras garrafais na página principal, Augusto, assim como outros "não se pode". É até engraçado, mas são mandamentos.
Em minha opinião, as redes se auto-regulam. Já foi proposto fazer o simpósio de forma livre, mais informal, na linha de desconferencia. Por que então não deixar que cada se apresente da forma que quiser e que venham as reações também livremente?
Comentário de Augusto de Franco em 23 maio 2009 às 6:21
Esses mandamentos não são da Escola-de-Redes, Célia, e sim do TED. "Lembrarás nesse instante: o riso é bom", he he.
Comentário de Célia Schlithler em 22 maio 2009 às 18:34
Desculpem, mas acho que esta rede está com mandamentos demais. Se cada um que tiver vontade de falar, ficar com medo de cometer algum pecado, apenas aqueles que se consideram santos conseguirão abrir a boca...
Comentário de Seiji em 17 maio 2009 às 11:32
1 | Não simplesmente exaltarás os teus talentos

2 | Deverá sonhar um grande sonho, ou tornar público algo maravilhosamente novo, ou compartilhar algo que nunca antes tenhas compartilhado

3 | Revelará tua curiosidade e tua paixão

4 | Contará uma história

5 | Criticarás livremente os discursos de outros oradores para o limite da abençoada conexão e a requintada discussão

6 | Não ostentarás teu ego. Sê vulnerável. Fala da tua falha assim como do teu sucesso.

7 | Não venderás do palco: nem sua empresa, suas mercadorias, seus textos, nem sua necessidade desesperada por financiamento; para que não sejas abandonado em externa escuridão

8 | Lembrarás nesse instante: o riso é bom

9 | Não lerás seu discurso

10| Não roubarás o tempo daqueles que o seguem

Aqui está a tradução direta que achei se adequar melhor à mensagem. Foi bem divertido aprender essas palavras diferentes rsrs. Vou colocar no meu blog hj à noite alguma coisa sobre a pesquisa que fiz pra conseguir traduzir, até porque tem palavras que têm muito significado e às vezes não consegui encontrar a palavra ideal do português para comunicar o mesmo sentido.

Qualquer correção por favor, fiquem à vontade. Abraços!

© 2018   Criado por Augusto de Franco.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço