Escola de Redes

Impacto que as Redes Sociais podem ter para regular diretamente Instituições Públicas e Privadas, no Brasil. Vamos medir?

Car@s.

Temos uma oportunidade de saber qual o impacto que as Redes Sociais podem ter para regular diretamente Instituições Públicas e Privadas, no Brasil.

Estou aderindo a esta campanha e peço que outros o façam também, para fazermos uma avaliação:

· Repassemos o e-mail

· Repassemos a mensagem por SMS (torpedos dos celulares)

· Vamos ver o efeito na audiência da Globo, durante o jogo


Daremos um recado a todos os Meios de Comunicação de Massa, ou não, dependendo da adesão, de que NÓS o POVO {1} estamos alerta e temos meios de os afetar.

Pode ser um ótimo movimento para melhorar a qualidade e diversidade de opiniões em nossos Meios de Comunicação Social.

Vamos readquiri o controle da Opinião Pública?

(Em contraposição à Opinião Publicada – o Quarto Poder (a imprensa só é válido se também representativo))



{1} A Constituição dos Estados Unidos da América



Nós, o povo dos Estados Unidos, a fim de formar uma União mais perfeita, estabelecer a justiça, assegurar a tranqüilidade interna, prover a defesa comum, promover o bem-estar geral, e garantir para nós e para os nossos descendentes os benefícios da Liberdade, promulgamos e estabelecemos esta Constituição para os Estados Unidos da América.



EMENDA I

O Congresso não legislará no sentido de estabelecer uma religião, ou proibindo o livre exercício dos cultos; ou cerceando a liberdade de palavra, ou de imprensa, ou o direito do povo de se reunir pacificamente, e de dirigir ao Governo petições para a reparação de seus agravos.

EMENDA II

Sendo necessária à segurança de um Estado livre a existência de uma milícia bem organizada, o direito do povo de possuir e usar armas não poderá ser impedido.

{para que os Cidadãos tenham como se defender de Governos injustos, inclusive via rebelião}

EMENDA IV

O direito do povo à inviolabilidade de suas pessoas, casas, papéis e haveres contra busca e apreensão arbitrárias não poderá ser infringido; e nenhum mandado será expedido a não ser mediante indícios de culpabilidade confirmados por juramento ou declaração, e particularmente com a descrição do local da busca e a indicação das pessoas ou coisas a serem apreendidas.

{que inveja}

EMENDA VI

Em todos os processos criminais, o acusado terá direito a um julgamento rápido e público, por um júri imparcial do Estado e distrito onde o crime houver sido cometido, distrito esse que será previamente estabelecido por lei, e de ser informado sobre a natureza e a causa da acusação; de ser acareado com as testemunhas de acusação; de fazer comparecer por meios legais testemunhas da defesa, e de ser defendido por um advogado.

{que inveja}


Recomendo ler em: http://www.embaixada-americana.org.br/index.php?action=materia&...

DiaSemGlobo’ em apoio a Dunga.


O técnico da seleção brasileira abriu fogo contra a Rede Globo. Dunga deu na canela do comentarista Alex Escobar, da Globo. Poucas horas depois, um dos apresentadores do programa Fantástico, Tadeu Schmidt, da África leu um editorial da emissora detonando Dunga.

Tudo tem um porque, antes do ataque ao Dunga no Fantástico, o Jornal O Globo já havia descido a lenha na seleção e principalmente no seu treinador.

Qual a razão dessa súbita mudança de comportamento?

Vamos aos fatos:

Segunda feira, véspera do jogo de estréia da seleção brasileira contra a Coréia do Norte, por volta de 11 horas da manhã, hora local na África do Sul.

Eis que de repente, aportam na entrada da concentração do Brasil, dona Fátima Bernardes, toda-poderosa Primeira Dama do jornalismo televisivo, acompanhada do repórter Tino Marcos e mais uma equipe completa de filmagem, iluminação etc.

Indagada pelo chefe de segurança do que se tratava, a esposa do poderoso William Bonner sentenciou: “Estamos aqui para fazer uma REPORTAGEM EXCLUSIVA para a TV Globo, com o treinador e alguns jogadores...”.

Comunicado do fato, o técnico Dunga, PESSOALMENTE dirigiu-se ao portão e após ouvir da Sra. Fátima o mesmo blá-blá-blá, foi incisivo, curto e grosso, como convém a uma pessoa da sua formação: “Me desculpe, minha senhora, mas aqui não tem essa de “REPORTAGEM EXCLUSIVA” para a rede Globo. Ou a gente fala pra todas as emissoras de TV ou não fala pra nenhuma...”.

Brilhante!!!

Pela vez primeira em mais de 40 anos, um brasileiro peitava publicamente a Vênus Platinada!!!

“Mas... - prosseguiu dona Fátima - esse acordo foi feito ontem entre o Renato (Maurício Prado, chefe de redação de esportes de O Globo) e o Presidente Ricardo Teixeira. Tenho autorização para realizar a matéria”.

Dunga: - “Não tem autorização nem meia autorização, aqui nesse espaço eu é que resolvo o que é melhor para a minha equipe. E com licença que eu tenho mais o que fazer. E pode mandar dizer pro Ricardo (Teixeira) que se ele quer insistir com isso, eu entrego o cargo agora mesmo!”.

O treinador então virou as costas para a supra sumo do pedantismo e saiu sem ao menos se despedir.

Dunga pode até perder a classificação, a Copa, seu time pode até tomar uma goleada, qualquer fiasqueira na África, mas sua atitude passa à história como um exemplo de coragem e independência frente a uma das instituições privadas mais poderosas no País e que tem por hábito impor suas vontades, eis que é líder de audiência e por isso se acha acima do bem e do mal.

Em linguagem popular, o Dunga simplesmente mijou na Vênus Platinada! Sugiro uma estátua para ele!!!

Após, a poderosa Globo, a mesma que levou o Collorido ao poder e depois o detonou por seus interesses, agora difama o Dunga, tá certo que o cara é meio Ogro, mas não teve o direito de se defender dos ataques em momento algum.

Falar mal do cara é liberdade de imprensa. Ouvir o cara não pode?

A reação do povo foi imediata. O editorial lido no programa "Fantástico", da Rede Globo, deu repercussão no mundo virtual. E pela primeira vez na história o Brasil inteiro apóia o técnico da Seleção. Só a Globo para conseguir isso...

Dentre os assuntos mais comentados no Twitter nesta segunda-feira (21), a frase "Cala boca, Tadeu Schmidt" era líder absoluta, superou até a antecessora "Cala Boca, Galvão", que liderou por dias seguidos os Trending Topics.

E não parou por ai. Em apoio ao técnico da seleção brasileira, os twiteiros lançaram o "DiaSemGlobo", que será nessa sexta-feira, quando o Brasil vai jogar com a seleção de Portugal, no encerramento da primeira fase da copa.

Todo mundo na Band, ou em outra emissora, não vamos sintonizar a Globo na sexta-feira, temos que começar a deixar de ser gado manso, mostrar que não somos trouxas manipuláveis.

VAMOS FAZER O BRASIL INTEIRO PENSAR !!!!!

Exibições: 423

Comentar

Você precisa ser um membro de Escola de Redes para adicionar comentários!

Entrar em Escola de Redes

Comentário de Augusto de Franco em 24 junho 2010 às 16:41
Caros amigos: faço um apelo para encerrarmos esta discussão aqui. Não vai dar certo esse tipo de coisa na Escola-de-Redes. Aconselho vivamente os que estiverem interessados nesse tipo de ação, de mobilização, de participação, de orquestração de swarmings etc. a abrirem um Ning ou outra plataforma interativa para tanto. Façam isso. É livre.
Comentário de Marcelo Estraviz em 24 junho 2010 às 15:33
boyle, eu desisti da globo. é isso.
assim como desisto destas manifestações ao estilo manada, com frases finais do tipo:
VAMOS FAZER O BRASIL INTEIRO PENSAR ...
é infrutífero e old fashion.
Comentário de Carlos Boyle em 24 junho 2010 às 13:45
Banco a Claudio en esta. No porque pretenda desde Argentina apoyar o no una movilización en contra de tal o cual posición política (partidista o no), si lo tuviese que hacer supongo que lo haría.
Banco a Claudio por estar en contra de un medio monopólico o al menos oligopolico como la Rede O Globo, solo por eso. Si nos llenamos la boca hablando de jerarquías y desistencias, no entiendo como la lucha por la libertad a la información pública no está en la agenda de esta escuola. Sí tiene que ver con todo lo que aprendemos acá, jerarquizar y monopolizar la agenda púlcia del Brasil o de cualquier país, como sucede aquí en la Argentina es la "gran batalla" contra los autócratas centralizadores.
Comentário de Antonio Marcos Gasparin em 24 junho 2010 às 1:12
Grato, prezado Cláudio pelo convite. Pessoalmente, de acordo com o aprendizado em minha formação na ER, no curso de formação política, na ESP, e etc não participarei deste evento. Uma vez que objetivamente eu não possa visualizar o benefício de meus atos à soberania do interesse público, não participo.
Comentário de Robson Barros em 23 junho 2010 às 21:14
Concordo com a necessidade de focar no escopo e quase toda o texto do Augusto de Franco. Penso somente que a opiniao pessoal sobre o fato citado, ^ Existem óbvios interesses partidários e visões ideológicas implicados nessa campanha contra a Globo (assim como contra a Veja). acaba gerando mais motivo do prologamento do assunto do que corta-lo na raiz. Logo, creio que neste casos, fiquemos com o proposito da escola. Abs.

Marcelo, vamos para Campos ouvindo CBN ou posso lever um Pen Drive com uns Blues do Garry Moore...rs..rs:::: (Aqui era para entrar interrrogacoes...mas roubaram os acentos do meu teclado)
Comentário de Marcelo Estraviz em 23 junho 2010 às 18:53
Todos os meus dias são sem globo.
Comentário de Augusto de Franco em 23 junho 2010 às 18:45
Caro Cláudio, quero esclarecer preliminarmente que estou dando apenas a minha opinião pessoal. Não acho adequado conclamar campanhas desse tipo aqui na Escola-de-Redes. Não somos uma rede para fazer esse tipo de mobilização. Não estamos voltados - segundo nossa constituição - para propósitos militantes (além do que, a partir do uso de mídias sociais em campanhas orquestradas - e novamente estou dando apenas a minha opinião pessoal - não se pode medir o impacto de redes sociais: não é a mesma coisa etc.)

Seu outro blogpost está perfeito, transcrevendo Tocqueville e tecendo considerações e análises. Mas este, a meu ver, nos coloca numa situação complicada. Existem óbvios interesses partidários e visões ideológicas implicados nessa campanha contra a Globo (assim como contra a Veja). Cada um pode ter a posição política ou a concepção ideológica que quiser. O que não acho correto é usar a Escola-de-Redes para fazer proselitismo de tais posições e visões. Se começarmos assim, daqui a pouco vai ser difícil manter nosso escopo: somos uma rede de pessoas dedicadas à investigação sobre redes sociais e à criação e transferência de tecnologias de netweaving.

© 2019   Criado por Augusto de Franco.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço