Escola de Redes

Desde pequeno fui acostumado ao ambiente musical por intermédio da educação que me proporcionaram meus pais, ainda que de forma amadorística, o que mais tarde se tornaria uma das minhas profissões. Nesses mais de 30 anos de experiências sonoras, pude desenvolver um forte senso de interatividade que talvez nenhuma outra atividade tenha me possibilitado até hoje, seja na docência, seja no Direito. 

A peculiaridade da música é que como forma de arte colectiva incentiva a colaboração e a receptividade do outro. Ainda que nos pequenos grupos, quando o músico atinge certo grau de técnica (formal ou autodidata), em geral busca perceber como a performance está a serviço da arte dos sons e não de egoísmos confinantes. Nos grandes grupos, como as orquestras, há que se estar atento, invariavelmente, ao ambiente sonoro e a todos os outros instrumentos que compõem a reunião dos sons na música. Não há competição ou hierarquia no momento em que a música acontece, mas interatividade pura. 

O desenvolvimento dessa percepção se dá também porque o som nos atinge no âmago de nossa humanidade, talvez seja uma das instâncias mais profundas dos sentidos que fazem vibrar e ressoar muitos de nossos sentimentos mais recônditos. Daí que os timbres, as alturas, as intensidades, os ritmos são capazes de produzir em nós mudanças, entendimentos, saciedades que nos fazem aproximar do sublime como forma de contemplação da própria vida. Tanto do lado de quem produz, quanto do quem aprecia, a música é interação do começo ao fim e nos ensina a viver e produzir em prol do outro, da diferença e das potências da vida. Seja que estilo for, a música comunica algo que mesmo não seja possível de se traduzir em palavras, por isso mesmo, muitas vezes é capaz de nos proporcionar uma vida coletiva sem julgamentos, sem hierarquias, sem gerar escassez... ressonância que mesmo na dissonância produz consonância...

Exibições: 113

Comentar

Você precisa ser um membro de Escola de Redes para adicionar comentários!

Entrar em Escola de Redes

© 2019   Criado por Augusto de Franco.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço