Escola de Redes

MINHA RELAÇÃO COM REDES

Fernando Dolabela (2009)

Todas as minhas ações profissionais têm por objetivo disseminar o espírito empreendedor no Brasil e em outros países. Em outras palavras, vulgarizar a idéia de que sem a capacidade empreendedora não poderemos combater a miséria, inovar, fazer o PIB crescer.

Esse é meu sonho, com uma dose de loucura para valer a pena. Sonhos são perigosos porque não se submetem a controle e não têm limites. É isso que os torna fascinantes e por causa disso são proibidos.

Para persegui-lo, no início escolhi a educação formal em todos os seus níveis, da Educação Infantil até o doutorado. O motivo é óbvio, temos atuar na matriz que influencia mentes e corações. Outras mídias como teatro, jogos, cinema não foram esquecidas.

Comecei na UFMG, onde criei o curso de empreendedorismo na graduação em ciência da computação. Mas os números não batiam; com trinta alunos por semestre levaria centenas de anos para realizar os meus sonhos. Além disso percebi que o empreendedorismo, sendo a única arma de combate à miséria, deveria ser propagado não só nas universidades, mas em vilas e comunidades alijadas da economia, em periferias e grotões, em sertões e veredas.

Escrevi metodologias, livros, desenhei softwares e, atrás deste sonho, consegui até o momento levar o conteúdo empreendedor a 400 instituições de ensino superior no Brasil e no exterior. Criei uma metodologia para a Educação Básica que já foi implementada em 126 cidades (todas as escolas da redes públicas municipais) envolvendo cerca de 10.000 professores e 200 mil alunos.

No caminho percebi que o empreendedorismo não se aprende somente em sala de aula; ele sobreviveu pelos séculos sem ela. É um fenômeno social e, como tal, propaga-se em redes. É desta forma que os hábitos, crenças, visões de mundo, atitudes, comportamentos se modificam.

Nas minhas viagens pelo Brasil, constato fenômenos interessantes. Surgem aparentemente do nada, em cidades afastadas dos grandes centros, pessoas que querem fazer algo, pois perceberam que a capacidade empreendedora é essencial para a melhoria das condições de vida das pessoas na cidade. Como essa percepção chegou até elas?

Há algum tempo me interesso por redes. Gradativamente, na minha empresa, vamos alterando a forma de atuar. Em todos os nossos projetos a partir de 2008 a criação de uma rede é essencial. Estamos adotando um novo modelo que se baseia em crenças do tipo: a cooperação aberta é mais eficiente do que plataformas fechadas, parceiros são mais sustentáveis que fornecedores; a inovação vinda de fora é melhor do que a feita a portas fechadas. O nosso site, www.starta.com.br está sendo preparado para ser o instrumento dessa nova fase.

© 2018   Criado por Augusto de Franco.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço