Escola de Redes

AS 5 TAREFAS INICIAIS SUGERIDAS AOS MEMBROS DA ESCOLA-DE-REDES

Esta página foi publicada em 21 janeiro 2009

1 - Contar um pouco a HISTÓRIA de como você chegou até aqui, ou seja, de como começou a se interessar por redes sociais.

2 - Elaborar o seu próprio ITINERÁRIO DE LEITURAS, listando e eventualmente comentando as publicações que leu e os videos que assistiu sobre o assunto (redes sociais).

3 - Apresentar um resumo da sua BIOGRAFIA e, se for o caso, da sua BIBLIOGRAFIA sobre o tema.

4 - Disponibilizar para download (ou colocar um link para) TEXTOS ou VÍDEOS com resultados de suas investigações ou experiências ou vivências com o tema.

5 - A quinta tarefa caducou (era uma sugestão para entrar em nodos: mas descobrimos ao longo do caminho que as pessoas são os nodos e... que as pessoas são redes!)



Quase tudo isso pode ser feito na sua própria página neste http://escoladeredes.net

Você também pode postar mensagens de BLOG com os conteúdos acima.

Alguns depoimentos de membros da Escola-de-Redes contando a história de como chegaram até aqui, ou seja, de como começaram a se interessar por redes sociais.

Célia Schlithler | HÁ DEZ ANOS TRABALHO COM REDES SOCIAIS DE DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO (SCHLITHLER: 2008).
Augusto de Franco | MEU CAMINHO PARA AS REDES SOCIAIS: 10 ANOS DEPOIS... (FRANCO: 2008)
Jandira Feijó | E ASSIM EU CAÍ NA REDE (FEIJÓ: 2009)
Clara Alvarez | VOU CONTAR UM POUCO DA MINHA HISTÓRIA... (ALVAREZ: 2009)
Cristiano Lafetá | MEU INTERESSE POR REDES... (LAFETÁ: 2009)
Wiliame Jansen | COMO CHEGUEI À ESCOLA DE REDES (JANSEN: 2009)
Silvio Belbute | UM RESUMO MESCLADO COM UM POUCO DE BIOGRAFIA (BELBUTE: 2009)
Maria Barreto | O QUE TENHO FEITO (BARRETO: 2009)
Cynthia Fior | MEU CAMINHO PELAS REDES (FIOR: 2009)
Lia Diskin | MINHA HISTÓRIA COM AS REDES (DISKIN: 2009)
Fernando Dolabela | MINHA RELAÇÃO COM REDES (DOLABELA: 2009)
Ailton Teixeira | MINHA HISTÓRIA (TEIXEIRA: 2009)
Luiz de Campos Jr | UM POUCO SOBRE MIM E COMO ME ENREDEI... (CAMPOS: 2009)
Cinthia Sento Sé | CAÍ NA REDE... (SÉ: 2009)
Nilton Lessa | PORQUE INGRESSEI NA ESCOLA DE REDES (LESSA: 2009)
João de Paula Monteiro | REDES EM MINHA VIDA (MONTEIRO: 2009)
Marcelo Estraviz | COMO EU VIM PARAR AQUI? (ESTRAVIZ: 2009)
Cintia Alves | MINHA HISTÓRIA COM REDES (ALVES: 2009)
Sergio Storch | ME APRESENTO (STORCH: 2009)
Elisabete Ferrarezi | COMO E POR QUE AQUI CHEGUEI (FERRAREZI: 2009)
Fernando Viana | MINHAS VIAGENS PELAS REDES (VIANA: 2009)
Dalberto Adulis | MINHA TRAJETÓRIA (ADULIS: 2009)
Mario Salimon | MINHA RELAÇÃO COM O TEMA DAS REDES (SALIMON: 2009)
Fabiano Morais | MINHA HISTÓRIA NA REDE (MORAIS: 2009)
Camila Santo | O QUE ME TROUXE ÀS REDES (SANTO: 2009)
João Paulo | EU - APRENDENDO SOBRE REDE (PAULO: 2009)

Confira abaixo (nos comentários) outros depoimentos (e não se esqueça de deixar o seu.

Esta seção está sendo permanentemente atualizada. Se você contou sua história mas ela ainda não foi publicada aqui, mande uma mensagem com o link.

ITINERÁRIOS DE LEITURAS FUNDAMENTAIS

Indicações de livros, artigos e vídeos que constituiram caminhos peculiares de leituras e referências importantes de pessoas e grupos criativos que participaram ou participam da investigação ou da experimentação sobre redes sociais:

David de Ugarte | ITINERÁRIOS DE LEITURAS FUNDAMENTAIS 1: UGARTE (2008)
Carlos Boyle | ITINERÁRIOS DE LEITURAS FUNDAMENTAIS 2: BOYLE (2009)
Carlos Lopes | ITINERÁRIOS DE LEITURAS FUNDAMENTAIS 3: LOPES (2009)
Clara Alvarez | ITINERÁRIOS DE LEITURAS FUNDAMENTAIS 4: ALVAREZ (2008)
Marcelo Estraviz | ITINERÁRIOS DE LEITURAS FUNDAMENTAIS 5: ESTRAVIZ (2009)
Augusto de Franco | ITINERÁRIOS DE LEITURAS FUNDAMENTAIS 6: FRANCO (2006-2009)

Comentar

Você precisa ser um membro de Escola de Redes para adicionar comentários!

Entrar em Escola de Redes

Comentário de Jurema Brito em 14 junho 2011 às 20:50

Olá!

O motivo pelo qual estou aqui, está baseado numa elaboração de proposta para mestrado da Universidade do Estado da Bahia, que tem como uma das linhas de pesquisa: educação, redes sociais e desenvolvimento territorial sustentável. Estou buscando dados para uma proposta legal e funcional, de preferência algo que possa ser desenvolvido em escolas públicas aqui na Bahia.

Bem, se alguém tiver algo que possa me ajudar, contribuir ou opinar, agradeço desde já.

Grande beijo a todos e todas!

Comentário de karine mariano leite em 30 maio 2011 às 22:18

Bom estou aqui em  busca de conhecimento e tb pq estou fazendo uma pesquisa para uma matéria no meu curso de história sobre ensino a distância e conteúdo colaborativo !!

e acredito que achei a fonte ideal para meu trabalho pois esse site se encaixa perfeitamente no que estava procurando, espero poder interagir bastante com vcs!!

até mais

Comentário de Carolina Sudati em 29 abril 2011 às 13:52

Obrigada Augusto,

pelas boas vindas & idas, e, acima de tudo, pelas inquietações impagáveis provocadas em grande parte por você. Está sendo uma experiência muito grande me abrir de fato ao movimento que as redes em todos os sentidos nos propõe (rede-corpo, rede-nós-família, rede-bairro), estou gostando do frio da barriga e percebendo que a cabeça na hora do fluxo só trava os movimentos que o coração já está há muito tempo percorrendo. Grande abraço(s)!

Comentário de Augusto de Franco em 28 abril 2011 às 17:03
Bem vinda de volta, Carolina. Ou de ida!
Comentário de Carolina Sudati em 28 abril 2011 às 11:51
Olá queridos nós,
Após uma flutuação por vários espaços, estou me dedicando à interação efetiva aqui nesse espaço que é a Escola de Redes. Como alguns sabem, sou atriz e o ano passado fui chamada para facilitar um grupo na sua articulação em rede mais distribuída do que centralizada. Participei muitos anos de uma rede de pesquisa estudando as possibilidades, desafios, aventuras de se entregar à rede. Essas experiências do ano passado mexeram muito comigo.
Muitas provocações povoaram a minha mente, e depois o meu coração, como:
"semente de rede é rede", "não existe coach para netweaver", "não é possível atuar na articulação de rede se não vivermos em rede" (Augusto) e também, "não é preciso recurso para agir" (Estraviz).
Fui então buscar o que faltava na minha disponibilidade de entrega em estar / viver em rede. E descobri que não é fácil mesmo, estar entregue à rede para mim significou/significa se perder, para se encontrar na relação. Mas antes eu achava isso na teoria, hoje eu posso sentir.
Apesar do medo decidi encarar a aventura e conviver com o frio na barriga. E é nesse momento que estou, ainda um pouco atrapalhada, mas decidida a INTERAGIR para além do monólogo num processo de encontro. E aqui aprendi muito e espero poder também colaborar. Também estou percorrendo as leituras fundamentais, alinhando os meus conhecimentos sobre rede com o que é proposto por esse espaço. Muito amor na fluição :) Abraços!
Comentário de Ana Paula Sena de Almeida em 20 março 2011 às 14:23
Olá Gabriel, ainda estou lendo os três textos iniciais indicados para inserção ao Fórum da Escola de Redes. Entrei no seu blog e respondi sua enquete, por sinal, importante pergunta sobre o uso de redes sociais. Conte comigo! Abraços!
Comentário de Ana Paula Sena de Almeida em 16 março 2011 às 8:47

Lendo o texto do BARABASI (2002) - "Statistical mechanics of complex networks" - Não consegui acessar pela biblioteca da Rede, procurei no Google e achei o artigo no link: http://www.barabasilab.com/pubs/CCNR-ALB_Publications/200201-30_Rev...

 

Abraços!

Comentário de Gildson Gomes dos Santos em 13 março 2011 às 13:47

Sou aspirante a doutor da Faculdade de Direito da Universidade de Buenos Aires. Busco ampliar meu conhecimento sobre a obra de Humberto Maturana. Neste site encontrei um livro espetacular do biólogo chileno: "Del ser al hacer". Talvez o mais recente que li do autor.

Meus agradecimentos à Escola de Redes

Comentário de Fabio Andriani Paiva em 1 março 2011 às 14:49

Trabalho com ilustração, edição de vídeo e website. Minha experiência com a criação e leitura de imagens, feita por gestalt, levou-me a buscar formas não lineares de leitura. No trabalho com ONGs, busquei formas menos hierarquizadas de produção. Penso que a dinâmica de rede faz parte da humanidade, desde quando ainda eramos macacos; as espécies que sobreviveram o fizeram com uma inteligência sofisticada para poder transformar e elaborar uma nova estrutura interna com a nova externa com precisão. A civilização linearizou nosso raciocínio e verticalizou nossas relações. Desnaturalizou. Se Darwin tinha razão, precisamos correr para não perder o bonde! BOA SORTE!

Comentário de Andréia Mikuska em 19 fevereiro 2011 às 8:34
Estava procurando material na internet sobre Edgar Morin e assim encontrei uma página de textos e discussões aqui na Rede. Sou pedagoga, e atualmente curso o 3ºano de Filosofia, na UNICENTRO (Guarapuava/PR). Pretendo desenvolver trabalho de conclusão de curso sobre Ciência e conhecimento em Edgar Morin.
Comentário de Ivanete Alves de Souza em 13 fevereiro 2011 às 21:35
sou professora de Biologia na SEDF, cheguei na Escola de redes através de amigos que sabem da minha linha de pesquisa sobre aprendizagem em redes com aplicação a sustentabilidade e estou engatinhando no mesmo e espero que possa desenvolver um bom trabalho na mesma. 
Comentário de Adriana Costa em 12 fevereiro 2011 às 14:38

Cheguei na Escola de Redes atraves do desafio da minha atividade profissional. Desenvolvo programas educativos e a realidade do Hipertexto na vida cotidiana dos Jovens me fez buscar uma maior compreensao deste novo contexto multi midia em que vivemos.

Estou adorando!!! conhecer Jane Jacobs ja valeu!!! mas com certeza e so o inicio...

Comentário de Ana Valéria Machado Mendonça em 31 janeiro 2011 às 22:56

Ainda sobre meus cinco passos, depositei minha entrada mas percebi que ainda faltam quatro momentos. As leituras estão a caminho, assim como minhas futuras contribuições a partir do que penso e produzo por ai. O nodo, ja percebi que me interesso por vários e sobre mim, o restante chega com a ajuda do meu querido, velho mas sempre atualizado curriculo lattes. Assim, acho que minha biografia resumida se encaixa bem para essa finalidade. Pincei o que pode ser interessante em futuras trocas e deixo o restante para o nosso convívio na rede. No mais, sou professora do Departamento de Saúde Coletiva, da Universidade de Brasília (UnB). Fiz doutorado em Ciência da Informação pela mesma instituição, mestrado em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, especialização em Administração da Comunicação Empresarial e graduação em Jornalismo e Relações Públicas. Atualmente sou coordenadora do Centro de Informação e Informática em Saúde, da Faculdade de Ciências da Saúde (CIS/FS) e pesquisadora do Núcleo de Estudos em Saúde Pública da UnB (NESP/CEAM/UnB), onde coordeno a Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde. Atuo como líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Informação e Comunicação em Saúde Coletiva (CNPq-Brasil). Fui consultora em projetos de inclusão digital para o Ministério das Comunicações. Tenho atuado, principalmente, nos seguintes temas: informação e comunicação em saúde, tecnologias da informação e comunicação em saúde, inclusão digital, alfabetização em informação e em comunicação, redes sociais e ensino a distância.

Comentário de Ana Valéria Machado Mendonça em 31 janeiro 2011 às 22:43

Fiquei pensando em como responder minha primeira tarefa na E=R e daí me veio a ideia de contar como cai na rede, em particular nesta Rede. Busquei minhas origens como jornalista e minhas lembranças como curiosa das tecnologias desde 1995, ainda em Sergipe, de onde venho. Pois é, nessa época, virando o ano de 1996, minha pequena Aracaju já dava seus primeiros passos na Internet. Hoje, passados alguns anos e muitos lugares, estou em Brasília, onde sou professora e pesquisadora da UnB. Cheguei aqui por instinto de navegante, mas não posso negar que a rede que participo hoje envolve os Agentes Comunitários de Saúde, que representam mais de 220 mil profissionais no país. Com eles, desenvolvo um projeto de inclusão digital, mídias e redes sociais. Logo, creio que minha vinda para cá não demoraria muito. Fico feliz por estar aqui. 

Comentário de Maria de LOurdes Matos em 25 novembro 2010 às 7:26
Olá a todos,
Eu cheguei aqui através de indicação de um alerta do google, sobre redes sociais. Seguindo a indicação visitei a Escola de Redes, gostei e me inscrevi.
Sou professora de ensino médio, atuando em um Núcleo de Tecnologia Educacional em Montes Claros - MG capacitando professores para o uso das tecnologias aplicadas à educação. Há algum tempo venho estudando sobre as redes sociais sobretudo no que diz respeito as possibilidades de utilização na educação, orientadas para o aproveitamento da inteligência coletiva e a interação entre pessoas.
Para desenvolver esse estudo, estou tendo contato com outros estudiosos, literaturas e experiências correlatas, o que tem sido referencial para o meu aprendizado.
Agora vou fazer uma leitura do Escolas de Redes, com mais tranquilidade para dar continuidade as tarefas iniciais.
Foi bom chegar aqui.
Abraços
Lourdes Matos
Comentário de Eduardo Antonio Barros Rosa em 4 novembro 2010 às 13:35
Desde a universidade, onde desenvolvi monografia sobre o Ação social no Movimento pelo Software Livre, tenho estado atento aos temas relacionados à redes de trabalho colaborativo e tecnologias afins. Através deste trabalho tive contato com textos de Manuel Castells, Pierre Levy, Jean Baudrillard, Peka Himanem, entre outros. Experiência que me trouxe grande entusiasmo pelo tema.
Através de um post de Carlos Nepomuceno no twitter cheguei até a palestra de Augusto de Franco no TEDxSP e, de lá, à Escola de Redes. Estou achando muito interessante a proposta deste espaço, em especial pelo caráter libertário que parece sugerir. Não tenho metas estabelecidas com essa experiência. Mas, desde já, tenho certeza que aqui há grande probabilidade de conexões interessantíssimas.
Comentário de Lilian Drumond em 1 novembro 2010 às 8:15
Eu sempre quiz encontrar uma profissão onde eu me identificasse, e sempre gostei mto de redes sociais, tenho uma facilidade incrível de aprender. Um dia eu descobri que existia uma profissão a qual era minha cara "Analista De Redes Sociais" e dai comecei a entrar em sites para aprender e levar isso como profissão, foi nessa caminhada que cheguei aqui e espero encontrar o auxilio que preciso para trabalhar nessa nova profissão que quero levar pra vida toda
Comentário de Marcelo Cardoso em 30 outubro 2010 às 10:57
Como curioso acabei chegando aqui. Trabalho com Midias Sociais, onde estava buscando algo mais científico/teorico sobre Redes Sociais, achei um video no TEDSP do Augusto que foi como um insight pra mim...expandiu meus horizontes, aguçou a curiosidade e acabei chegando aqui.
Comentário de Leticia Calhau Freitas em 29 setembro 2010 às 15:36
Quando a Rede me escolheu...eu era uma apaixonada por literatura, principalmente por escrever e minha história estava atrelada ao papel. O mais interessante é que adorava ser lida, até que um dia meu irmão - apaixonado por internet - publicou um texto meu numa rede de poetas e eu só descobri depois de um tempo, quando comecei a receber comentários dos meus textos.
Criei meu blog, virei professora de cursos a distância e hoje sou analista de mediação em redes on-line.
Comentário de Wander Luiz Pio de Sena em 25 setembro 2010 às 18:29
Aportei na Escola-de-Redes naturalmente... caminhando... seguindo ‘nós’!
Quero dizer que, como Ser em Rede eu (na verdade Nós) estabeleço conexões (Nós) e a Escola-de-Redes é um desses Nós atado a outros.
Na década de 80 li "A Terceira Onda" de Alvim Tofller; O Ponto de Mutação de Fritjof Capra e certamente, esses e outros ‘inputs’ ativaram uma consciência de Redes.
E assim como se supera o complexo de Édipo eu acho que superei o complexo de "Jack O estripador” - que se interessava por partes, e que era só o que permitiam nossa geração perceber.
Descobri que muitas barreiras: ideológicas, geográficas e outras tantas, eram como os nós das malhas de redes de pesca – aprisionavam ao invés de permitir o fluxo!
As minhas leituras, relacionamentos e indagações me levaram ao curso de Filosofia. Na graduação pude estudar (sem os limites da ditadura em que vivíamos no Brasil) e descobrir,, por exemplo, em Marx que:
“ Tudo o que era sólido se desmancha no ar, tudo o que era sagrado é profanado, e as pessoas são finalmente forçadas a encarar com serenidade sua posição social e suas relações recíprocas”. (Manifesto Comunista) Karl Marx e Friedrich Marx Engels
Com a tecnologia das comunicações (eu trabalhei muitos anos em uma Estatal de Comunicações) tive acesso ao e-mail, internet e o resto, é fácil deduzir.
Continuo no processo de aprender sobre Redes e posso dizer que, no meu estágio atual, lendo um pouco mais na Escola-de-Redes, ainda estou na fase da compreensão intuitiva, o que eu espero superar no relacionamento nas Redes.

© 2019   Criado por Augusto de Franco.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço