Cynthia Fior

60, Feminino

Cuiabá Mato Grosso

Brasil

Comment Wall:

  • João de Paula Monteiro Ferreira

    Obrigado Cynthia. É isso mesmo. Estou confiante de que a Escola de Redes pode ser muito útil para criar novas conexões entre os que, como nós, estão tentando abrir picadas horizontais nesta selva de relacionamentos verticais. Que ela possa dar bons frutos em Mato Grosso. Vamos em frente.

    João de Paula
  • Fidelis Paixão

    Voce vem para o Forum Social Mundial?
  • Fidelis Paixão

    Cynthia o FSM acontece este ano em Belém, por isso perguntei se vc participaria, pq seria interessante compartilhar essa experiencia do Pacto que voces estao desenvolvendo em Mato Grosso, alem da sua experiencia com Redes. Veja informaçoes sobre o Fórum em www.fsm2009amazonia.org.br ou em www.forumsocialmundial.org.br
  • Guaracy Pinto Calaza

    Olá, Cynthia ! Feliz 2009 !
    Grato pela lembrança e desafio é sempre motivador. Confesso que não tenho tido tempo para ler este volume de informações que a Escola de Redes tem disponibilizado mas, como associatista nato, aprecio muito a forma de se trabalhar preconizada pelo Augusto.
    Quanto à pouca receptividade do Pacto, mesmo de longe, arriscando um chute e em errar feio, creio dois motivos:
    1) Por imaginar que poucos disponibilizaram tempo ( seja lá por qual motivo tenha sido ) para se intimdarem com a filosofia da Escola e das Redes Sociais ( daqui , temos outra derivação que, mesmo aqueles que tenham lido , alguns não tenham se interessado o suficiente ou não tenham tempo ou não tem este tema como prioridade ... e por aí vai );

    2) Ou por acharem que precisa-se de algo mais concreto em termos de ação/resultados para se sentir motivado a se mobilizar. Lembra que conversamos ( e divergimos ) sobre isso na minha única particpação em uma reunião do Pacto e cheguei a apresentar a minha sugestão também por email a respeito da proposta do Pacto. Sempre me ficou claro os objetivos iniciais do Pacto , o que não significa que eles não possam ser adaptados, reavaliados com o tempo. Entendia ( e ainda entendo ) que a forma com que estava se direcionando os debates virtuais, ainda que muito interessantes e enriquecedores, aos poucos, se distanciavam de ações práticas. Li todo seu histórico do PActo e é louvável e reconhecido todas as conquistas até o momento. Só que, na minha opinião, acho que o esvaziamento das reuniões, entre outros motivos, talvez também tenha sido por isso. Ao menos, é o que transparece algumas opiniões trocadas por email.
    Enfim, e como o próprio Augusto comenta no seu texto " Por que ainda não somos uma escola de redes?" , “Para que a escola exista verdadeiramente – no sentido em que foi concebida – é necessário que essas comunidades de aprendizagem se formem. E elas só se formarão a partir de agendas compartilhadas. As pessoas têm que fazer coisas juntas para que se forme uma comunidade de aprendizagem (de estudo, pesquisa, experimentação ou apenas de convivência ou de vivência-em-rede): promover conferências, seminários, palestras, cursos, publicações, bibliotecas, grupos de estudo, projetos de pesquisa ou simplesmente encontros regulares para bater-papo sobre o assunto (não sobre qualquer assunto, mas sobre o assunto da escola: as redes sociais). Ou seja, o principal aqui são as agendas de atividades coletivas ou compartilhadas.Não seria coerente propor a formação de uma Escola-de-Redes e não fazer nada disso, quer dizer, não fazer pelo menos uma dessas coisas.”
    Então, Cynthia, como sei que vc está mais diretamnente envolvida e respirando o tema Rede Sociais diariamente, estou aberto a ler suas propostas para estudarmos qual será o melhor caminho para montarmos este nodo de Rede no MT. Inclusive, naquela época em que vislumbrava uma mudança para Cuiabá, falamos sobre a expectativa de montar um rede de inormações com as entidades do terceiro setor no sentido de promover a aproximação de interesses dessas entidades e crair uma sinergia de ações e reduzir desperdicio de tempo , dinheiro por falta de articulação dessas mesmas entidades.
    Grande abraço e sucesso !

    Guaracy
  • Amauri Lobo

    Olá Cynthia! Vou entrando devagarzinho neste rizoma... beijo grande. Lobo
  • Fernando Viana

    Cynthia.

    Obrigado pelo convite. Você é uma das muitas pessoas especiais que conheci na minha vida. Tenho acompanhado o sucesso e a competência do seu trabalho.
    Em frente, este anos teremos a nossa décima edição do Fórum Internacional de Criatividade e Inovação, vamos ver se desta vez poderemos contar com você entre nós. Abs.
  • Augusto de Franco

    Li seu comentário, Cynthia. É isso mesmo. O problema é que precisamos de quantidade para gerar a efervescência capaz de ensejar certos fenômenos das redes distribuída. Mas ao estimular a conexão de uma pequena multidão de pessoas (que alguns estimam em torno de 5 mil) diluímos a importante dimensão think tank de nossa escola. Qual a saída? Só vejo uma: estimular, simultaneamente, a formação de nodos (clusters) territorias ou temáticos que compartilhem agendas sintonizadas com os objetivos da Escola-de-Redes. Forte abraço.
  • João Pedro Torres

    Cynthia, li seu comentário no tópico do "Diagnóstico do Padrão Organizacional" do grupo da "Transição Organizacional" e fiquei interessado nestes critérios que você mencionou para identificar se a organização estava sendo gerenciada por processo. Minha razão de estar aqui na Escola de Redes é extrair idéias para o funcionamento do meu escritório de arquitetura, que divido com outros seis sócios e, acredito eu, se organiza de forma horizontal. Enfim, estou curioso, como se define "processo" e "área"? Como abordar estas perguntas em uma organização pequena?
  • Jorge Augusto Amedi

    lá Cynthia, bom dia!!! Hoje tive tempo pra mexer nesta rede...vamos nos falando,
    Abrção
    Jorge de Cáceres
  • Jorge Augusto Amedi

    Sim Cynthia, boa tarde. Preciso adaptar horários para este intercâmbio e criar hábitos diários, ou...??? Não sei me ajude. Muito importante. Abração
    Jorge
  • Claudio Estevam Próspero

    Dessa forma, além de todo conhecimento técnico adquirido, nosso “insight” foi o de que a mudança só seria possível se partisse de fora para dentro do Estado, pois a correlação de forças na manutenção do status quo era forte o suficiente para o desvio de qualquer projeto com finalidade contrária aos interesses corporativos. .

    Assino embaixo de sua colocação acima e tenho me comportado de acordo com este princípio de ação: as Instituições só mudam por pressão dos que as mantém, sejam financiadores e voluntários de ONG´s, eleitores de Gov
  • Claudio Estevam Próspero

    opss. rs rs

    eleitores de Governos ou stakeholders de Organizações privadas.

    Parabéns por suas atividades e sucesso em suas iniciativas presentes e futuras.

    Um abraço.
    Claudio
  • Claudio Estevam Próspero

    A primeira coisa que fizemos foi reunir mais forças e criar um espaço de discussão sobre os temas que afligiam a sociedade e que não eram vistos com prioridade pelo Estado. Formamos, então, junto com alguns empresários e profissionais liberais, o INBRACO (Instituto Brasileiro de Pesquisa, Participação Social e Acompanhamento do Orçamento Público). O objetivo principal da instituição era levar o conhecimento sobre o orçamento público - principal instrumento de gestão governamental - para a sociedade.

    Vocês conhecem as iniciativas de cidadânia:

    Nossa São Pau