Escola de Redes

Informação

Nodo Pará

O Nodo Pará da Escola de Redes nasce conectado à Rede Amazônica de Protagonismo Juvenil, focada na transformação cultural e no desenvolvimento sustentável das comunidades onde estão inseridos os Pontos de Cultura no Estado do Pará.

Site: http://www.redejuvenil.com.br
Local: Belém e outras cidades do Pará.
Membros: 35
Última atividade: 9 Jun, 2012

No sábado, 17 de janeiro de 2009, foi lançado o nodo Pará da Escola de Redes. O evento aconteceu no encerramento do Curso de Formação Sócio-Política e Estratégia de Desenvolvimento Local Amazônico, atividade realizada pela Rede Amazônica de Protagonismo Juvenil, rede constituída pelos Pontos de Cultura do Estado do Pará e contou com a participação de mais de 30 representantes de Pontos de Cultura de vários Municípios paraenses.

A Escola-de-Redes é uma articulação descentralizada e não hierarquizada de pessoas conectadas em rede que integram comunidades de projeto e de prática, de aprendizagem e de pesquisa, que compartilham voluntariamente seus conhecimentos, divulgam e aplicam os produtos que desenvolverem dedicados à investigação teórica e à disseminação de conhecimentos sobre redes sociais e à criação e transferência de tecnologias de netweaving.

O Nodo Pará da Escola-de-Redes está permanentemente aberto para adesão de pessoas que queiram se conectar voluntariamente ao grupo. A promoção de estudos, pesquisas, cursos, encontros, conferências e publicações, assim como a reflexão coletiva e o trabalho conjunto sobre redes sociais, serão os objetivos e as atividades realizadas pelo Nodo.

Melhores informações podem ser obtidas no site www.escoladeredes.ning.com/group/nodopara e pelos telefones de contato (91) 8215 1413 (Fidelis Paixão) ou (91) 8215 1331 (Carlos Siqueira) ou (91) 8215 1400 (Luan) ou pelo e-mail redejuvenil@argonautas.org.br.

Fórum de discussão

Este grupo ainda não possui nenhum tópico.

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de Nodo Pará para adicionar comentários!

Comentário de GLAUCO CARLOS CAVALCANTE em 9 junho 2012 às 19:36

Ola parceiros da Escola de Redes - nodo Pará gostaria de interagir com tod@s. abraços, Glauco Carlos

Comentário de MÁRIO PINHEIRO E SILVA em 11 abril 2009 às 11:17
Parabéns a todos do Nodo Pará por comungarmos dos mesmos objetivos e ideais. Somos todos "Trabalhadores da Paz" e juntos, com certeza, faremos a diferença em prol do desenvolvimento local sustentável.
Saudações a todos e todas!
Comentário de Zehma em 23 março 2009 às 18:27
Ola parceir@s da Escola de Redes - nodo Pará gostaria de interagir com tod@s. abraços, Zehma
Comentário de César Roberto Mendes em 21 janeiro 2009 às 9:00
Rondonense lança fascículo “Carvoeiros de Rondon do Pará”

A rondonense Mayka Danielle Brito Amaral que é geógrafa lançou oficialmente no último domingo (18) no salão nobre “Jonas Campos” na Câmara Municipal o fascículo “Carvoeiros de Rondon do Pará” e teve a supervisão da Profª Rosa Elizabeth Acevedo Marun (UNAMAZ-NAEA/UFPA). O fascículo 22 faz parte do Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia (Fundação Ford – PPGSCA – UFAM) da série Movimentos Sociais e Conflitos nas Cidades da Amazônia.
Em dezembro de 2005, foi realizada uma reunião do Conselho da Cidade e lideranças dos movimentos sociais em Belém, foi apresentado o projeto “Nova Cartografia Social da Amazônia” e o resultado dos trabalhos de pesquisa com quebradeiras de coco babaçu e quilombolas. Das situações sociais identificadas resultou a mobilização dos que se fizeram presentes na reunião para o desenvolvimento do Projeto com grupos que vivem em cidades amazônicas. A partir desta reunião teve a origem a Série “Movimentos Sociais e Conflitos nas Cidades da Amazônia”. A série iniciou com os indígenas, homossexuais, afro-religiosos e negras e negros de Belém, e teve continuidade com outros grupos na capital paraense e outras cidades como Manaus, Macapá, Marabá, Salinópolis, Santarém e Rondon do Pará.
Em setembro de 2007 Mayka veio de São Paulo e desenvolveu o fascículo em Rondon com a participação direta da Associação dos Carvoeiros de Rondon do Pará, da Prefeitura Municipal, das Escolas Pe. José Fontanella e Lucilo Oliveira Rabelo e dos trabalhadores das carvoarias existentes no município. Foram desenvolvidas oficinas com esses trabalhadores e nas oficinas os respectivos falaram sobre as condições de vida, experiências profissionais, situações de trabalho, jornadas de trabalhos, condições de alimentação, doenças, demandas e sobre os direitos trabalhistas que constam no fascículo. Trabalhos de campo foram realizados e a partir desse trabalho foi possível delinear o mapa situacional das carvoarias existentes no município. Todo o projeto realizado no município contou com o apoio da Ford Foundation, com o Programa de Pós-Graduação Sociedade e Cultura na Amazônia (PPGSCA), do Instituto Amazônico de Planejamento, Gestão Urbana e Ambiental (Iagua), Universidade Estadual da Amazônia – PPGDA, Universidade Estadual do Amazonas (UEA) através do Programa de Pós-Graduação em Direito Ambiental, da Associação de Universidades Amazônicas - UNAMAZ e da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado do Amazonas.
O evento também contou com o apoio da Prefeitura Municipal através da Secretaria Municipal de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente, da Câmara Municipal de Rondon, do Núcleo Universitário, do Diário do Pará, da Associação dos Carvoeiros de Rondon, dos movimentos sociais.
O salão nobre “Jonas Campos” ficou lotado e contou com a presença de trabalhadores das carvoarias e de seus familiares, do Secretario Municipal , Welington Porto de Meio Ambiente, do presidente da Câmara, vereador Paulo Sérgio Lima Batista (PT), Rosa Peres do Núcleo Universitário, professores, estudantes, empresários, presidentes de associações de produtores rurais e populares. O fascículo também será apresentado em Belém no FSM.

(Diário de Carajás)


Reportagem de César Roberto Mendes
Comentário de César Roberto Mendes em 21 janeiro 2009 às 8:28
Continuação de Anapu
Famoso em Brasília por conta da repercussão midiática do assassinato da religiosa, o prefeito peregrinou no Congresso no final de dezembro e conseguiu arregimentar apoio parlamentar para incluir R$ 1 milhão em emendas no Orçamento da União. O dinheiro, anuncia, será para comprar maquinários para recuperar dois mil quilômetros de estradas vicinais. Mas o sonho, mesmo, é levantar verba para construir dois memoriais a Dorothy - um logo na entrada da cidade de Anapu e outro bem no local onde a freira tombou. (Diário do Pará)
Comentário de César Roberto Mendes em 21 janeiro 2009 às 8:26
Anapu
Ex-afilhado político da missionária norte-americana Dorothy Stang, o prefeito de Anapu, Francisco de Assis Sousa, o Chiquinho do PT, descobriu-se de pires na mão e com a imposição gerencial de enxugar drasticamente a folha. Pobre e dono de transferências constitucionais que não ultrapassam R$ 1 milhão, o município gasta R$ 580 mil com pessoal e R$ 100 mil com o INSS. O saldo, de R$ 320 mil, é para custeio da máquina e poucos investimentos. A prefeitura paga 767 servidores, a maioria (450) temporários, que já começam a se mexer para escapar da lista de demissões que vêm por aí, engatilhada pela pindaíba e irresponsabilidade fiscal. (Diário do Pará)
Comentário de César Roberto Mendes em 21 janeiro 2009 às 8:20
Recentemente entrei no grupo e espero contribuir. Estou aberto as discussões.
Comentário de Walcylene Cardoso Costa em 20 janeiro 2009 às 2:11
Estou me familiarizando com td, mas tenho interesses iguais. Por esse motivo me adicionei.
abs
Comentário de margareth pinheiro gondim em 18 janeiro 2009 às 23:37
Sinto-me bem entre vocês, como que sonhando um mesmo sonho... movimento tecitura de vida para uma sociedade mais justa e fraterna, onde a informação liga os saberes entre os caminhos para um mundo melhor...
abraços fraternos
Comentário de Reia_Lemos em 18 janeiro 2009 às 17:56
Olá, a todos...
Estou chegando, devagarinho...
Arisca (rsss...), mas como uma Moira, com bastante fio para a tecitura
que se irá construir neste Nodo.
 

Membros (34)

 
 
 

© 2019   Criado por Augusto de Franco.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço