Escola de Redes

BIBLIOTECA HUMBERTO MATURANA

Informação

BIBLIOTECA HUMBERTO MATURANA

Grupo para reunir, comentar e estudar a obra de Humberto Maturana

Membros: 138
Última atividade: 10 Abr

REUNINDO A OBRA DE HUMBERTO MATURANA


PARA ACESSAR TODOS OS LIVROS DA BIBLIOTECA CLIQUE AQUI

A BIBLI.E=Rjá reuniu os seguintes textos de Humberto Maturana:

 

A LISTA ABAIXO PODE SER BAIXADA DA BIBLIOTECA HUMBERTO MATURANA REORGANIZADA

MATURANA, Humberto (2004): Entrevista para revista Humanitates

MATURANA, Humberto et all. (2009): Matriz Ética do Habitar Humano

MATURANA, Humberto, DAVILA, Ximena, MUÑOZ, Ignacio & GARCÍA, Patrício (2009): Sustentabilidade o armonía biológico-cultural de los procesos?

MATURANA, Humberto (1993?): A democracia é uma obra de arte

MATURANA, Humberto e PÖRKSEN, B. (2004): Del ser ao hacer

MATURANA, Humberto e DÁVILA, Ximena (2003): Biologia del Tao y el Camino del Amar

MATURANA, Humberto (2002): Emoções e linguagem na educação e na política

MATURANA, Humberto (2001): Cognição, ciência e vida cotidiana

MATURANA, Humberto (1999): Transformación en la convivencia

MATURANA, Humberto (1993): Conversações matrísticas e patriarcais

MATURANA, Humberto (1993): Conversações Matrísticas e Patriarcais online | Apresentação e Introdução | 1 - O que é uma cultura? | 2 - Mudança cultural | 3 - Cultura matrística e cultura patriarcal | 4 - O emocionar | 5 - Origem do patriarcado (parte 1) | 5 - Origem do patriarcado (parte 2) | 6 - A democracia | 7 - Reflexões éticas finais

MATURANA, Humberto (1992): El sentido de lo humano

MATURANA, Humberto (1985): Desde la biologia a la psicologia

MATURANA, Humberto (1985): Biologia del fenómeno social

MATURANA, Humberto (1988): Ontologia del conversar

MATURANA, Humberto (1987): Biology of language

MATURANA, Humberto e VARELA, Francisco (1984): El Árbol del Conocimiento

MATURANA, Humberto & VARELA, Francisco (1984): A árvore do conhecimento

MATURANA, Humberto (1982): Aprendizaje o deriva ontogénica

MATURANA, Humberto (1982): Reflexões: Aprendizagem ou consequência ontogenética

MATURANA, Humberto e VARELA, Francisco (1973): De máquinas y seres vivos. Autopoiesis: la organización de lo vivo

Falta levantar, procurar a versão digital e pendurar aqui os demais textos de Maturana.

Fórum de discussão

ESCUTAR, CO-CRIAR E AMAR, AS NOVAS REGRAS DE GESTÃO MODERNA

tradução livre, original em anexo... | via Claudio Próspero, via Lia Goren. WorshopESCUTAR,…Continuar

Iniciado por Luiz de Campos Jr 14 Jul, 2014.

Livro - Biologia del Emocionar y Alba Emoting - Humberto Maturana e Susana Bloch 3 respostas 

O nome do arquivo foi substituído por um conjunto de caracteres para dificultar a identificação da obra pelos bots do mega.O nome da obra dentro do arquivo compactado também foi ocultado. Peço aos colegas que substituam com o nome da obra logo que…Continuar

Iniciado por Leandro Nunes Azevedo. Última resposta de Leandro Nunes Azevedo 11 Abr, 2014.

Democracia es una obra de arte. Maturana, Humberto R. 3 respostas 

Maturana, Humberto R., 1928- Democracia es una obra de arte. [Colombia] : Cooperativa Editorial Magisterio : Instituto para el Desarrollo de la Democracia…Continuar

Iniciado por Leandro Nunes Azevedo. Última resposta de Augusto de Franco 10 Set, 2013.

APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENÉTICA 3 respostas 

Na versão original e na versão traduzida (por Júlia Eugênia Gonçalves) seguem, em anexo, os dois textos em PDF do texto:MATURANA, Humberto (s./d.): …Continuar

Iniciado por Augusto de Franco. Última resposta de Augusto de Franco 3 Jun, 2013.

ORGANIZACIONES SOCIO-ÉTICO SUSTENTABLES: UN CAMINO HACIA UN FUTURO DISTINTO 5 respostas 

by Peter Senge, Humberto Maturana e Ximena DávilaVisiones de Telefónica | Paper 11, año 2011Introducción Mirando nuestro presente Vivimos un presente histórico en una encrucijada ético- ecológica. Estamos generando un espacio de habitar humano –eso…Continuar

Iniciado por Augusto de Franco. Última resposta de Augusto de Franco 2 Jun, 2013.

Algumas leituras sobre Humberto Maturana e Francisco Varela 1 resposta 

Humberto Maturana - http://goo.gl/QImXW  e  http://goo.gl/hBhkDFrancisco Varela - …Continuar

Iniciado por Giorgio Bertini. Última resposta de Giorgio Bertini 2 Mar, 2013.

BIOBIBLIOGRAFIA

BiographyHumberto MaturanaAfter completing secondary school at the Liceo Manuel de Salas in 1947, Maturana enrolled at the …Continuar

Iniciado por Augusto de Franco 2 Mar, 2013.

Amar e Brincar - Fundamentos esquecidos do humano - Maturana,Humberto R. & Verden-Zoller,Gerda 11 respostas 

Amar e Brincar - Fundamentos esquecidos do humanoAutor(a): Maturana,Humberto R. & Verden-Zoller,Gerda Em essência, o livro aborda três grandes temas: a origem…Continuar

Iniciado por Leandro Nunes Azevedo. Última resposta de rafael ferreira de paula 10 Out, 2012.

UMA TEORIA DA COOPERAÇÃO BASEADA EM MATURANA

Este texto foi escrito por Augusto de Franco em 2001 e publicado na revista Aminoácidos, vol. 4 (Brasília: AED, 2002). A presente versão não foi revista.Para download free o PDF abaixo:Continuar

Iniciado por Augusto de Franco 13 Jul, 2012.

Como utilizar o UseNet para upload e download dos livros da Escola de Redes

Amigos,Sugiro espelharmos os livros da biblioteca da Escola de Redes na UseNet!Já realizei o trabalho de upar os livros do professor, que poderão ser encontrados através deste motor de busca: …Continuar

Iniciado por Leandro Nunes Azevedo 23 Fev, 2012.

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de BIBLIOTECA HUMBERTO MATURANA para adicionar comentários!

Comentário de Augusto de Franco em 11 fevereiro 2010 às 8:16
Transcrevo abaixo o tópico intitulado Cultura Patriarcal do capítulo Conversações Matrísticas e Patriarcais do livro de Humberto Maturana e Gerda Verden-Zöller (1993): Amor y Juego: Fundamentos Olvidados de lo Humano - Desde el patriarcado a la democracia, traduzido e publicado no Brasil como Amar e Brincar: fundamentos esquecidos do humano - Do patriarcado à democracia (São Paulo: Palas Athena, 2004).

CULTURA PATRIARCAL

Os aspectos puramente patriarcais da maneira de viver da cultura patriarcal européia – à qual pertence grande parte da humanidade moderna, e que doravante chamarei de cultura patriarcal – constituem uma rede fechada de conversações. Esta se caracteriza pelas coordenações de ações e emoções que fazem de nossa vida cotidiana um modo de coexistência que valoriza a guerra, a competição, a luta, as hierarquias, a autoridade, o poder, a procriação, o crescimento, a apropriação de recursos e a justificação racional do controle e da dominação dos outros por meio da apropriação da verdade.

Assim, em nossa cultura patriarcal falamos de lutar contra a pobreza e o abuso, quando queremos corrigir o que chamamos de injustiças sociais; ou de combater a contaminação, quando falamos de limpar o meio ambiente; ou de enfrentar a agressão da natureza, quando nos encontramos diante de um fenômeno natural que constitui para nós um desastre; enfim, vivemos como se todos os nossos atos requeressem o uso da força, e como se cada ocasião para agir fosse um desafio.

Em nossa cultura patriarcal, vivemos na desconfiança e buscamos certezas em relação ao controle do mundo natural, dos outros seres humanos e de nós mesmos. Falamos continuamente em controlar nossa conduta e emoções. E fazemos muitas coisas para dominar a natureza ou o comportamento dos outros, com a intenção de neutralizar o que chamamos de forças anti-sociais e naturais destrutivas, que surgem de sua autonomia.

Em nossa cultura patriarcal, não aceitamos os desacordos como situações legítimas, que constituem pontos de partida para uma ação combinada diante de um propósito comum. Devemos convencer e corrigir uns aos outros. E somente toleramos o diferente confiando em que eventualmente poderemos levar o outro ao bom caminho – que é o nosso –, ou até que possamos eliminá-lo, sob a justificativa de que está equivocado.

Em nossa cultura patriarcal, vivemos na apropriação e agimos como se fosse legítimo estabelecer, pela força, limites que restringem a mobilidade dos outros em certas áreas de ação às quais eles tinham livre acesso antes de nossa apropriação. Além do mais, fazemos isso enquanto retemos para nós o privilégio de mover-nos livremente nessas áreas, justificando nossa apropriação delas por meio de argumentos fundados em princípios e verdades das quais também nos havíamos apropriado. Assim, falamos de recursos naturais, numa ação que nos torna insensíveis à negação do outro implícita em nosso desejo de apropriação.

Em nossa cultura patriarcal, repito, vivemos na desconfiança da autonomia dos outros. Apropriamo-nos o tempo todo do direito de decidir o que é ou não legítimo para eles, no contínuo propósito de controlar suas vidas. Em nossa cultura patriarcal, vivemos na hierarquia, que exige obediência. Afirmamos que a uma coexistência ordenada requer autoridade e subordinação, superioridade e inferioridade, poder e debilidade ou submissão. E estamos sempre prontos para tratar todas as relações, humanas ou não, nesses termos. Assim, justificamos a competição, isto é, o encontro na negação mútua como a maneira de estabelecer a hierarquia dos privilégios, sob a afirmação de que a competição promove o progresso social, ao permitir que o melhor apareça e prospere.

Em nossa cultura patriarcal, estamos sempre prontos a tratar os desacordos como disputas ou lutas. Vemos os argumentos como armas, e descrevemos uma relação harmônica como pacífica, ou seja, como uma ausência de guerra – como se a guerra fosse a atividade humana mais fundamental.

Para baixar o PDF e espalhar: Cultura Patriarcal

Para ler no TwitDoc: Cultura Patriarcal. Endereço do link = http://twitdoc.com/c/ymy646
Comentário de Augusto de Franco em 1 fevereiro 2010 às 13:02
Testei agora, Rafael. É possível fazer normalmente o download do MATURANA, Humberto e VARELA, Francisco (1973): De máquinas y seres vivos. Autopoiesis: la organización de lo vivo. Tente outra conexão. Abraços.
Comentário de André A.C. em 1 fevereiro 2010 às 11:10
é fluxo cambiante continuo.

"a pressa é a inimiga da perfeição"
Comentário de André A.C. em 1 fevereiro 2010 às 11:09
Saudações Enredad@s,

Sei que ainda não temos a versão digital disponível, mas a partir do que temos aqui (Biologia del Tao y el Camino del Amar), um dos ensaios presentes no Livro "Habitar Humano - Seis ensaios de Biologia-Cultural". Sugiro podermos nos dedicar a esta leitura e dispor de nosso comentários neste ambiente. Sou estudante da Biologia-Cultural c Humberto e Ximena e neste momento estou escrevendo para a entrega do TCC(ou como queiram chamar...) cujo tema é: SOCIEDADE DE RECURSOS. Habitar Humano e seu fndamento: o Amor como ambiente natural p a Cura Planetária. E vossas colaborações podem vir a enriqueçer este trabalho que vem seguindo seu curso, como una Ola, num fluzo cambiente continuo... Conto com os senhores e senhoras.
Comentário de Rafael Reinehr em 1 fevereiro 2010 às 8:55
Não consigo acessar "De máquinas y seres vivos" Aparece uma tela preta com a mensagem "Waiting for video" e nada acontece.
Comentário de Augusto de Franco em 23 dezembro 2009 às 18:43
Tcham, Tcham, Tcham, Tchammmm! Garimpado por Luiz Algarra:

MATURANA, Humberto e VARELA, Francisco (1984): El Árbol del Conocimiento
 
 
 

© 2017   Criado por Augusto de Franco.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço