Escola de Redes

Informação

BIBLIOTECA EDGAR MORIN

Grupo para reunir, comentar e estudar a obra de Edgar Morin

Membros: 114
Última atividade: 29 Mar

REUNINDO A OBRA DE EDGAR MORIN


PARA ACESSAR TODOS OS LIVROS DA BIBLIOTECA CLIQUE AQUI

PARA ACESSAR OS TEXTOS LISTADOS ABAIXO CLIQUE EM BIBLIOTECA EDGAR MORIN REORGANIZADA

MORIN, Edgar (2003): A cabeça bem feita

MORIN, Edgar (2002): Educação e cultura

MORIN, Edgar (2000): Os sete saberes necessários à educação do futuro

MORIN, Edgar (1999): Antropologia da liberdade

MORIN, Edgar (s/d): Da necessidade de um pensamento complexo

É necessário levantar, procurar a versão digital e pendurar aqui os demais.

Fórum de discussão

A VIA - INTRODUÇÃO GERAL

A VIA - INTRODUÇÃO GERALContinuar

Iniciado por Claudio Estevam Próspero 11 Ago, 2013.

A VIA - Mudar de via?

A VIA - Mudar de via? Continuar

Iniciado por Claudio Estevam Próspero 11 Ago, 2013.

A VIA - PRIMEIRA PARTE - As políticas da humanidade

A VIA - PRIMEIRA PARTE - As políticas da humanidade Continuar

Iniciado por Claudio Estevam Próspero 11 Ago, 2013.

A VIA - PRIMEIRA PARTE - Capitulo 1. Regeneração do pensamento político

A VIA - PRIMEIRA PARTE - Capitulo 1. Regeneração do pensamento político Continuar

Iniciado por Claudio Estevam Próspero 11 Ago, 2013.

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de BIBLIOTECA EDGAR MORIN para adicionar comentários!

Comentário de Ricardo Freitas em 11 fevereiro 2015 às 9:52

Gostei da sua abordagem Sérgio Luís, principalmente ao final de texto, Complexidade é mais um conceito moderno para a construção de um saber complexo, não estou simplificando. Li tbm parte de seu artigo a discussão das ideias de Kuhn e Morin, sobre a Gestalt seria então uma solução para que nos livrássemos da ideologia, do sistema fechado? Tenho dúvidas, tbm lendo o livro do Augusto de Franco ele cita o Gilles Deleuze, lendo os textos do autor mencionado, Mil Platô, achei um pouco alucinante, será que estou reduzindo a uma teoria da abstração? Levando a crer que seria a teoria da complexidade, confundindo com o pensamento complexo? Vc possui ideias frutíferas....

Comentário de Fabiane Lopes de Oliveira em 11 fevereiro 2015 às 7:03

Sergio, gostei muito do seu posicionamento... A Complexidade é muito mais do que uma teoria.... 

Mas por vezes é difícil explicar a sua própria complexidade.... a abstração por si só é muito subjetiva....

Adorei a forma como vc colocou essas questões... Quais fontes eu poderia ler para aprofundar mais esses conceitos e entendimentos???? Dá uma dica...

Obrigada!

Comentário de Fabiane Lopes de Oliveira em 11 fevereiro 2015 às 7:01

Obrigada, Ricardo, pela dica.

tenho a coleção e estou lendo-a.

Comentário de Sérgio Luís Boeira em 10 fevereiro 2015 às 21:16

Vários autores afirmam que Edgar Morin é autor da "teoria da complexidade". Eu jamais vi essa expressão em dezenas de livros que li desse autor. O que encontro é "pensamento complexo", "paradigma da complexidade". Numa concepção popular de "teoria", como sinônimo de "abordagem" ou "perspectiva", poderíamos aceitar que Morin é autor de uma "teoria da complexidade". Mas nesse caso não poderíamos compreender/explicar por que motivo ele critica autores que buscam simplificar a complexidade, em vez de enfrentá-la, como fazem muitos autores que seguem o Santa Fe Institute (EUA). Morin analisa a "teoria da teoria" no volume 4 do Método e conclui que a teoria da complexidade seria uma busca de racionalização da complexidade. Uma teoria tende a tornar-se ideologia, caso não se regenere por exo-referência, por aberturas e confrontos com a realidade que está além da teoria. Toda teoria precisa ser biodegradável, diz ele, precisa ser aberta, mesmo ao que não lhe convém, ao que lhe é estranho e inconveniente. Assim não se transforma em ideologia, pelo menos não é contaminada pela ideologia, ainda que não possa ser totalmente separada de aspectos ideológicos, como supunha ingenuamente Althusser. A teoria, para ser consistente e pertinente, precisa reafirmar-se como sistema aberto, enquanto a ideologia se reforça à medida que recolhe no exterior o que lhe convém. A ideologia, então, é sistema fechado, assim como a doutrina, pelo menos do ponto de vista informacional. Uma "teoria da complexidade" pressupõe uma racionalização da complexidade, um conjunto de conceitos interligados em forma de sistema que se afirma sobre uma determinada realidade. Mas isso é impossível, segundo Morin, já que para ele a abstração não indica o caminho, o método da complexidade, e sim o da simplificação. Vale repetir: abstração é isolamento do eu/sujeito em relação a um objeto e isolamento do objeto em relação ao seu contexto natural. Abstração é simplificação, ainda que se apresente como sinônimo de complexidade. Mas então o que é complexidade, para Morin? Se não se limita à teoria, se ultrapassa a teoria, a complexidade só pode ser entrevista por um pensamento ou método ou paradigma da complexidade, o que pressupõe aspectos racionais e não racionais articulados dialogicamente, sistemicamente, holograficamente, etc. A complexidade mantém-se inabarcável pela racionalidade, desafiando a racionalidade. É em parte abstrata, em parte não abstrata, real, incompreensível na sua totalidade. É dinâmica, é um vir-a-ser, não se apresenta como algo fixo, teorizável, fotografável, racionalizável. Tal como o paradigma a complexidade só é percebida por suas manifestações, que não são totais, integrais, que são dissimuladas pelo próprio pensamento que busca captá-la por representações lineares, sistêmicas, etc. Teoria da organização complexa, em vez de teoria da complexidade, isso sim, seria algo adequado ao pensamento complexo, porque a organização, para Morin, não é algo hipostasiado, reificado, e sim algo que se inscreve no movimento incerto das partículas, no interior do átomo, e continua no interior das moléculas, das células, nos órgãos, dos organismos, dos ecossistemas, do planeta, das galáxias. Todo fenômeno organizacional, que contraria parcialmente a entropia, é complexo, e desafia o pensamento complexo, que é sempre uma aposta, jamais uma certeza fechada em sistema.  

Comentário de Ricardo Freitas em 8 fevereiro 2015 às 15:25

Morin publicou muitos livros, porém grande parte de sua biblioteca está em francês. Ficaria frutífero se a biblioteca do grupo Morin estivesse a coleção: "O método de 1 ao 5". Fabiane Lopes é mto interessante lê-los, atualmente só li os seguintes volumes: O método1 ; O método 2 (em parte) e o método 3, como o próprio Morin cita os livros são autônomos podem ser lidos sem uma sequencia, são auto-explicativos.

Comentário de Fabiane Lopes de Oliveira em 8 fevereiro 2015 às 14:14

Estou lendo e escrevendo sobre o paradigma da complexidade..... alguém gostaria de trocara informações e impressões?

Comentário de Augusto de Franco em 8 julho 2013 às 8:48

Publique o seu texto linkado neste mesmo campo de comentários. Ou então faça o upload adicionando uma discussão (veja acima). Abs.

Comentário de Paula Ugalde em 8 julho 2013 às 1:19

olá à tod@s! Augusto de Franco! tenho o que acrescentar mas não entendi como fazer para depositar.. o lance da segurança.. agradeço a orientação!

e-abs! ótima semana!! 

Comentário de Augusto de Franco em 16 setembro 2012 às 8:30

BIBLIOTECA EDGAR MORIN reorganizada.

Comentário de Sérgio Luís Boeira em 8 junho 2012 às 17:28

Pessoal

Compartilho com vocês um artigo que escrevi sobre as perspectivas de paradigma e progresso científico em Kuhn e Morin. Vejam o link abaixo:

PARADIGMA NAS PERSPECTIVAS DE KUH E MORIN.pdf

Comentários e/ou críticas?

Sérgio

 

Membros (114)

 
 
 

© 2017   Criado por Augusto de Franco.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço