Escola de Redes

 
Estamos desenvolvendo Nabuco Fin: o sistema financeiro de Nabucodonosor - Sistemas Alternativos ao Controle Hierárquico. Nabuco Fin é um sistema financeiro baseado em confiança (e não em desconfiança) alternativo aos grandes bancos.
 
Nabuco Fin articula três elementos: a) Instrumentos, b) Operações e c) Rede (de pessoas). Nós não desenvolvemos a tecnologia física ou digital para criar novos instrumentos: aproveitamos todos (ou quase todos) instrumentos que já estão disponíveis. Mas desenvolvemos a tecnologia social (de rede) que permite que você possa usar os instrumentos financeiros alternativos para realizar as operações financeiras básicas apoiado em novos arranjos de pessoas que você conhece e nas quais confia.
 
AS 11 OPERAÇÕES BÁSICAS
 
01) Comprar fisicamente
02) Comprar online
03) Pagar contas
04) Realizar pagamentos e recebimentos entre pessoas (físicos ou online)
05) Fazer pagamentos para empresas
06) Receber de empresas
07) Emitir cobranças
08) Realizar saques
09) Fazer câmbio de moedas
10) Investir dinheiro
11) Tomar e pagar empréstimos
 
Uma décima-segunda "operação", por assim dizer (por que não é uma operação estritamente financeira e nem é básica), foi acrescentada:
 
12) Como organizar um empreendimento em rede (usando os instrumentos e as operações de Nabuco Fin)
 
E tudo isso sem usar para quase nada os bancos tradicionais.
 
Nabuco Fin é apenas uma parte do Nabucodonosor que, além de finanças, vai desenvolver no futuro outros subsistemas dedicados à alimentação; saúde; educação; moradia; vestuário; transporte; viagens e hospedagens; comunidade e vizinhança; relacionamentos; entretenimento; comunicação; empreendimentos; política; filosofia, ciência e tecnologia; arte; e espiritualidade.
 
O lançamento de Nabuco Fin está previsto para 15 de setembro de 2016.
 
Para receber mais informações clique no link: http://nabucodonosor.com.br/

Exibições: 666

Responder esta

Respostas a este tópico

Interessante. Gosto de propostas de um sistema financeiro alternativo.

Que surpresa maravilhosa, Augusto! Certamente já nasce como produto de exportação! Se pegar numa cidade como São Paulo - e vai pegar -, será exemplo para qualquer lugar do mundo. 

Estou dentro disso, seja lá o que isso venha a ser de fato, porque confio nas pessoas que estão por trás disso, mesmo que não as conheça. O propósito em si já é confiável o suficiente.

Realmente muito interessante - com se diria na gíria, "demorou" rs

Como podemos obter mais informações a respeito?

Me parece totalmente excelente. Parabéns pela iniciativa.

Mas, qual seria a diferença entre isso e bitcoin e blockchain, por exemplo? Se é que vocês já podem atecipar a resposta..

Por enquanto podemos dizer que também usaremos o bitcoin e blockchain, mas a novidade é que podemos usar o real e as demais moedas tradicionais. E, principalmente, que estamos arquitetando (hehehe...) um "blockchain social"

Maurício Augusto Sampaio Pinto disse:

Me parece totalmente excelente. Parabéns pela iniciativa.

Mas, qual seria a diferença entre isso e bitcoin e blockchain, por exemplo? Se é que vocês já podem atecipar a resposta..

Obrigado pela pronta resposta. Precisando de alguma ajuda para hackear o sistema atual, estamos ai, quer dizer, aqui no ciberespaço. Tenho a intenção de usar esses princípios na startup que estou estruturando. Vejam:

www.sampmotors.com

Abs

Quero aprender como tudo isso funciona nas cibercidades. Poderíamos ter um encontro virtual para conhecer um pouco mais da proposta. O que acham?

Fiquei muito interessado em conhecer formas alternativas de um sistema financeiro.

Por mim tudo bem, Alice.

Já deu uma olhada na ethereum, como alternativa ao bitcoin? Pelo pouco que li, dá para criar uma derivação da própria criptomoeda que, suspeito, poderia ser localizada.
O bitcoin em si pode ser usado como meio de transacionar, mas, na minha na opinião, a mineração da mesma é inviável para a realidade tecnológica e econômica local. Estou fazendo uns testes de mineração com algumas das mais "estáveis" para ter certeza.

link: www.ethereum.org

Eles estão envolvidos na Mobotiq, uma empresa francesa-romena de mobilidade a base de modularidade e blockchain. Obrigado pelo lembrete. Na avalanche da informação as vezes as coisas importantes acabam se dispersando.

Responder à discussão

RSS

© 2017   Criado por Augusto de Franco.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço